ESCÂNDALO – álcool, maconha e cocaína nas pistas brasileiras

23 de fevereiro de 2008

Em entrevista ao Jornal da Tarde (do grupo O Estado de São Paulo), no dia 19 deste mês, o piloto Renato Russo fala sobre o acidente que matou Rafael Sperafico em Interlagos, no ano passado, durante etapa da Stock Car.

Passados dois meses depois do acidente, Renato Russo decidiu romper o silêncio. Na entrevista exclusiva ao Jornal da Tarde, realizada na oficina de sua equipe, a ATW, o piloto se disse muito abalado pela morte de um companheiro nas pistas e que pensou em parar de correr, imaginando ele ter sido o responsável direto pela morte de Rafael Sperafico, mas quando seu carro chocou com o de Rafael, este já estava sem vida.

Mas o que chamou mais a atenção dos leitores e de parte da imprensa esportiva foram as declarações a qual afirma haver uso de drogas no automobilismo brasileiro. “Tem piloto que bebe uísque antes da largada. Tem gente que cheira e fuma maconha”.

Renato disse ainda que a Confederação Brasileira de Automobilismo faz vistas grossas ao problema e que os responsáveis médicos da CBA já solicitaram a obrigatoriedade de exames anti-dopping, mas os dirigentes não atendem ao pedido dos profissionais que zelam pela saúde dos pilotos.