GT3: Ford GT tem “atuação” digna de Oscar

20 de abril de 2008

Foto:Press Consultoria/Divulgação

Se a etapa de abertura do Brasil GT3 Championship, disputada neste final de semana (19 e 20), em Curitiba, virasse um filme, a dupla formada por Ricardo Rosset e Walter Salles ganharia um Oscar. O ex-piloto de Fórmula 1 e o diretor, que concorreu ao maior prêmio do cinema mundial com o filme Central do Brasil, conquistaram a primeira vitória do Ford GT na categoria, já na estréia do modelo no Brasil. Os dois saíram de Curitiba como os líderes do Campeonato, somando 18 pontos.
Se no sábado a prova teve um desenrolar inesperado, devido à chuva que caiu na metade da corrida, a de domingo teve “um final feliz”, pelo menos para a dupla campeã. “Tivemos um bom roteiro, com atuações espetaculares e um desfecho fantástico. Por isso, merecemos o prêmio”, brincou Salles, após a festa do pódio – completado pelas duplas Xandy Negrão/Andreas Mattheis e Claudio “Cacau” Ricci/Rafael Derani.
Durante o fim de semana, o Ford GT cravou as duas poles e na corrida de domingo liderou de ponta-a-ponta, registrando, também, a volta mais rápida (1min20s311). “Voltar e vencer, depois de quase dez anos longe das pistas, é maravilhoso. Foi uma vitória até certo ponto tranqüila, mas é resultado de um árduo trabalho de preparação da equipe durante os treinos”, ressaltou Rosset.
Na volta de apresentação Alan Helmeister, parceiro de Fábio Casagrande no Dodge Viper 27 e segundo colocado no grid, ficou pelo caminho. “Tivemos uma pane elétrica inexplicável, mesmo problema que enfrentamos na prova de sábado. Foi uma pena, pois estávamos com um carro rápido neste fim de semana”, lamentou Casagrande.
No sinal verde, Rosset manteve a ponta e abriu boa vantagem já na primeira volta. Xandy Negrão (Viper) saltou do nono para o terceiro lugar, numa manobra arrojada. “Não sei nem como isso aconteceu. Me livrei da confusão e achei um ‘atalho’. Quando vi, estava na cola do Alceu Feldmann (parceiro de Thiago Marques no Lamborghini Gallardo vencedor da prova do sábado). Ele me segurou por três voltas, mas depois que passei consegui abrir uma boa vantagem”, descreveu o segundo colocado da prova.
Outro Dodge Viper com bom desempenho naquele momento da corrida era o de Leonardo Burti, parceiro de Elias Nascimento Junior. Ele chegou a ocupar o quarto lugar antes de abandonar a corrida na sexta volta, com problemas no câmbio.
Até a parada nos boxes a briga no pelotão intermediário foi intensa. A mais emocionante delas aconteceu entre Feldmann e Cláudio Ricci. Depois de duas tentativas, “Cacau” conseguiu superar o paranaense e assumir a terceira posição. “Foi um trabalho muito bom da equipe, que me deu um carro perfeito para a corrida. Com as melhorias que teremos no decorrer do ano, creio que a primeira vitória da Ferrari na GT3 Brasil está próxima”, prevê.
Após a parada nos boxes para troca de pilotos, a dupla Feldmann/Marques, da equipe Action Power, foi punida pela direção de prova, ao envolver mais de dois mecânicos no pit stop (o regulamento prevê esse limite). Por não obedecer a ordem dos comissários para fazer um “stop and go”, Thiago Marques, que pilotou o Lamborghini na segunda parte da corrida, recebeu bandeira preta e foi excluído da disputa.
Mesmo assim, o paranaense não deixou a pista e ainda teve um pneu estourado na última volta. “Depois de um sábado de vitória, tivemos um domingo desastroso, com problemas no câmbio, um pneu furado e uma punição que considerei injusta”, lamentou Thiago.
Com a dupla Rosset/Salles na liderança do Campeonato, com 18 pontos, Ricci/Derani, ocupam o segundo lugar (11), seguidos por Feldmann/Marques (10). A próxima etapa da GT3 Brasil acontecerá nos dias 10 e 11 de maio, no Autódromo Internacional José Carlos Pace, em Interlagos (SP). Entre as novidades já anunciadas, espera-se a estréia do tricampeão mundial de Fórmula 1, Nelson Piquet, a bordo de um Ford GT, e a chegada de duas unidades do novo modelo Porsche 997 GT3 Cup S.
Texto: Claudio Stringari