Meia Linha

12 de setembro de 2008

Acompanhe a coluna Semanal “MEIA LINHA”, por Marco Antônio Furtado.
Com a devida vênia do amigo Robério, hoje peço licença para não me reportar sobre nosso assunto preferido: esportes. Porém a nobreza do assunto , tenho certeza , contará com a compreensão dos visitantes do seu blog.
É que domingo, dia 14, será promovida a Campanha Nacional pelo Dia Mundial de Conscientização sobre Linfomas. A campanha acontecerá na beira mar de manhã até a tarde. Sem querer entrar na questão cientifica sobre os tipos de linfomas, diagnósticos, sintomas, tratamentos etc., mais da alçada de especialistas, resolvi trazer informações sobre a Associação Brasileira de Linfomas e Leucemia-ABRALE, que mudou e vem mudando a história da Onco Hematologia brasileira. Convido aos nossos visitantes a aderirem a campanha, e conhecerem o site da ABRALE (www.abrale.org.br).
Desde 2002, quem recebia o diagnóstico de linfoma e leucemia no Brasil tinha poucas alternativas para saber mais sobre a doença. Além disso, nem todos os pacientes tinham acesso a um tratamento de qualidade. Para mudar essa situação, um grupo da sociedade civil, formado por pacientes e seus familiares, fundou a ABRALE com o compromisso de mudar a história da Onco-Hematologia brasileira. Começava o desafio de disponibilizar o melhor tratamento de linfoma e leucemia em nosso país, transformando exemplos de exceções em regra para as terapias hematológicas complexas. Informação, Educação e Política são as áreas de atuação mais importantes e efetivas da ABRALE, sempre com o suporte de um Comitê Científico composto por especialistas. A ABRALE possui núcleos em São Paulo; Campinas (SP), Curitiba (PR), Fortaleza (CE), Goiânia (GO), Porto Alegre (RS), Recife (PE), Rio de Janeiro (RJ) e Salvador (BA) e pretende tornar-se referência latino-americana na promoção da saúde e bem-estar do paciente com linfoma e leucemia. Após conhecer a ABRALE muita coisa pode mudar para esse paciente. A mudança começa pelo esclarecimento das dúvidas sobre a patologia e o tratamento. O contato direto com os melhores especialista tornou-se realidade para os pacientes de baixo poder aquisitivo através de evento semanal com palestras e oficinas gratuitas.
Nos Encontros semanais, o paciente passa a conhecer outras pessoas na mesma situação, muitas delas respondendo positivamente ao tratamento ou mesmo fora dele. A grande mudança na vida desse paciente talvez aconteça neste momento: ao compartilhar experiências com pessoas que passam pelos mesmos problemas e estão se recuperando, o medo, a angústia e as dúvidas tendem a se transformar em esperança.