Troller lança o T4 2009 e introduz novos Conceitos de produção na fábrica de Horizonte

27 de outubro de 2008

Foto:Divulgação

A Troller apresentou neste mês o T4 2009 produzido na fábrica em Horizonte, Ceará, que recebeu novos conceitos de produção.  Essa nova fase trouxe uma série de vantagens para a Troller, que passou a contar com o suporte do grupo Ford. A estrutura da empresa foi mantida e reforçada.  Nos últimos anos, a Troller registrou um aumento significativo na produção, que praticamente dobrou de volume. Em 2006, ela montou cerca de 600 veículos. Em 2007, a produção cresceu para 940 unidades e este ano deve atingir 1.200. A perspectiva é manter a tendência de crescimento, preparando a fábrica para a ampliação do mercado.

Além de novos programas de produtividade, as melhorias introduzidas na fábrica para o lançamento do Troller T4 2009 contribuíram para aprimorar a qualidade e o nível de acabamento do produto, tendo como foco principal a satisfação dos clientes.  A pista de testes da fábrica também foi reformada para testar 100% da produção.

A fábrica de Horizonte recebeu aprimoramentos, também, nos processos de qualidade e meio ambiente. O seu processo de manufatura constitui-se basicamente em três etapas: Carroceria, Chassis e Montagem. Na área da Carroceria, o veículo utiliza peças moldadas em resina poliéster reforçada com fibra de vidro. Duas tecnologias são usadas para esse fim: as portas laterais, a porta traseira, o capô e a capota são moldados por injeção, enquanto as demais peças são laminadas em molde aberto.

Acabamento –  As mudanças feitas no processo trouxeram melhorias para o acabamento superficial, mantendo a mesma resistência da carroceria. Três novos conjuntos de moldes foram instalados para a produção do monobloco e peças complementares, usando o sistema “Spray-up” e “Hand lay up”, com ganhos no acabamento e no controle de materiais. A qualidade final também se beneficiou da adoção de um novo método de emendas e da melhor ergonomia para os operadores proporcionada por rearranjos internos na linha.

No setor de moldes fechados, que utiliza a tecnologia RTM (“Resin Transfer Molding”), foi introduzido um controle de espessura das peças rigoroso para garantir a sua resistência. Dois novos conjuntos de moldes permitem a produção da parte externa da capota em uma única peça, com os acoplamentos frontais incorporados.

Tintas especiais – A área de pintura também teve importantes mudanças, que trouxeram uma redução no trabalho de preparação de superfície e do volume de aplicação de massa e lixamento. A grade frontal, agora produzida em plástico injetado, também eliminou a necessidade de preparação e moldagem da peça. O resultado é um acabamento de melhor qualidade, menos sujeito a imperfeições.

Precisão dimensional –  O Troller T4 utiliza chassi tubular de perfil retangular cortado, sem aberturas para o exterior, com soldagem MIG manual, jateado com granalhas de aço e pintado com tinta de base epóxi. As melhorias feitas no setor incluíram a instalação de um novo conjunto de dispositivos de soldagem, com controle dimensional e ajustagem, que facilita o processo e possibilita a soldagem por conjuntos. Ele aumenta a precisão dimensional e o controle de posicionamento dos “hard points” estruturais, evitando deformações.

Avanços na montagem – No setor de Montagem, os veículos são produzidos em linha única de 22 estágios com acionamento automático de velocidade controlado por correntes de arrasto. Ela é composta por três setores sincronizados e um setor de pré-montagem. Na montagem da carroceria, onde é feita a pré-montagem do interior e do exterior, foi adotado um novo tapete pré-moldado que elimina a necessidade de recortes e colagens. Foram introduzidos também novos revestimentos laterais em “woodstock” parafusados e “cross beam” parafusado sob o painel. A capota passou a ter vidros laterais colados.

Na montagem do trem de força foi mantido o mesmo conjunto mecânico, mas com novo layout de mangueiras e tubos. Na montagem final, as mudanças incluem a fixação da coluna de direção no “’cross beam” com posicionamento gabaritado, chicotes fixados ao “cross beam” e nova grade frontal parafusada removível.