Dakar: Um desafio para veteranos e estreantes

29 de dezembro de 2008

Reprodução Cartaz

Por mais que as pessoas queiram definir o que é viver um rali como o Dakar, só mesmo quem já foi a um conseguirá transformar em palavras o dia a dia de uma disputa como esta. O deserto alterna altas temperaturas de dia a baixos e congelantes graus centígrados à noite. As emoções vividas, as superações que desafiarão seus competidores e os obstáculos naturais que eles deverão dar conta para chegar ao fim da trajetória proposta nos dão uma boa noção do que homens e mulheres buscam em 16 dias de competição, dos quais 14 serão de etapas cronometradas.

Foto:Divulgação

Aventura para eles não é apenas uma palavra, é uma forma de perceber a vida de um ponto de vista diferente. O dinheiro até pode ter permitido o acesso ao melhor equipamento; no momento porém, de encarar um pneu ou tanque de combustível furado no meio do nada ou, então, passar uma noite na trilha, a sensação de impotência será idêntica para todos, abastados e menos favorecidos. 

E já que falamos de dinheiro agregue a isso à questão estrutura. As equipes de grande investimento levam carros que mais parecem de outro planeta comparado aos que nós, brasileiros, vamos ter com nossas duplas. Por tudo isso, apenas as equipes de fábrica como Mitsubishi, Volkswagem e BMW, para citar as que mais se destacam, podem de fato sonhar com a vitória na geral. Para elas nada é impossível, mas só uma vencerá.

Foto:Divulgação

Segundo estatísticas da própria organização, apenas 5% dos estreantes conseguem a façanha de largar e chegar em sua primeira participação. O fato é tão valorizado que a ASO, empresa organizadora do evento, faz questão de premiar o melhor estreante do ano, seja nas motos, carros ou caminhões. No site oficial do evento, há ate um espaço dedicado a dicas consideradas importantes para quem vai debutar por lá, e ainda uma informação motivadora, em 2007 o trofeu amador distribuiu dentre os primeiros colocados 22.800 €. 

O piloto brasileiro Paulo Pichini, Presidente da Getronics Brasil, vai fazer sua estréia este ano no Dakar. Pichini, piloto amador e estreante faz questão de ressaltar que o seu conceito de vitória é bem específico. “Não sou um corredor profissional, como outros concorrentes; para mim, sucesso é gerir todos os elementos envolvidos nesta disputa de uma maneira excelente, de forma a garantir uma grande conquista: a chegada”.

Foto:Divulgação

Ao seu lado estará Lourival Roldan, navegador experiente ele fará sua quinta participação na prova e traz em seu currículo de Dakar um 11º lugar na geral em 2004, competindo ao lado de Kléver Kolberg, sendo este o melhor resultado de uma dupla brasileira na categoria carros no Dakar.

A dupla Paulo/Lourival já está em para Buenos Aires. A partir de agora eles estão em ritmo de véspera de prova. Amanhã começam os compromissos junto a organização do evento com a apresentação dos pilotos. Na terça-feira, dia 30/12, chegam todos os componentes da equipe de Pichini e Lourival, a portuguesa Red Line, que fará apoio a dupla brasileira e contará com 15 pessoas e 6 veículos de assistência em seu staff, sendo dois caminhões de apoio mecânico, um caminhão de apoio rápido dentro da competição e três veículos 4×4.

Os brasileiros competirão a bordo de um Pajero nº 444, e poderão ter seu desempenho acompanhado através do hot site www.itmidia.com.br/rally_dakar. Uma outra opção é acompanhar a prova pelo site oficial, www.dakar.com.br .

Texto: Zarhi El Malek