Confira a coletiva de imprensa após a corrida em Melbourne

29 de março de 2009

Os três primeiros colocados, imediatamente após ao pódium, concederam uma entrevista coletiva. Jarno Trulli ainda não havia sido punido.

O vencedor da corrida, Jenson Button, começou respondendo sobre suas impressões da corrida, já que não teve que brigar por posições, o que poderia supostamente lhe render uma corrida fácil: “É mais difícil do que parece. Eu até comecei a corrida num bom ritmo, mas, depois da saída do sfety car, eu tive um trabalho árduo para aquecer os pneus. O carro estava batendo na pista e tinha muitas ondulações. A vibração e ainda tinha uma fraca iluminação. Deveria ser fácil, mas não foi”. (Foto:Brawn GP).

Rubens Barrichello afirmou que não esperava estar no pódium: “Eu fui atingido por trás e atingi alguém pela frente. Como o Jenson disse, não foi uma corrida fácil. Eu não pensava poder chegar ao pódium nesta corrida. Com o choque eu perdi a estabilidade dos freios, o câmbio quase travou, mas consegui me recuperar. Estou feliz com o segundo lugar”.

O terceiro colocado até então ainda era Jarno Trulli e ele afirmou que esse resultado era excepcional, devido aos problemas do final de semana, tendo que largar dos boxes.

Button também explicou melhor o problema de iluminação a que se referiu: “foi muito difícil e estranho. Não conseguia enxergar as saídas das curvas direito. Eu usei uma viseira de cor e foi o certo a fazer. Mas, com os reflexos do sol e a mudança na luz vinda das árvores foi muito complicado”.

O italiano Jarno Trulli tratou de agradecer à equipe pela qualidade do carro: “Eu estava tentando pressionar o máximo possível, a fim de recuperar o tempo perdido. Eu fiz um monte de ultrapassagens durante toda a corrida, no início, bem como no meio e no final. Meu único objetivo era terminar o mais alto possível e, com alguma sorte, eu consegui. Tenho de agradecer à equipe pelo carro fantástico”.

O piloto da Toyota foi pergutado se ficou frustrado por ter que largar dos pits, após ver o que seu carro conseguiu fazer durante a corrida: “É difícil dizer se você está feliz ou não. No momento, não estou completamente satisfeito comigo porque eu poderia ido melhor, mas, por outro lado, se você olhar para o resultado, verá que fizemos um grande trabalho, após a grande decepção de ontem. Nosso carro tem nada a dever em termos de competitividade”

Muitas acusações e protestos foram ventilados nessa etapa de abertura, sendo questionada a legalidade de alguns carros, com isso fica no ar a possibilidade de alguma alteração posterior do resultado, algo que não preocupa os pilotos da Brawn: “Isso não é nada que nós podemos mudar como pilotos. Estamos aqui para fazer o show e também para tirar o máximo aproveitamento dos equipamentos em termos de oferta, exatamente como fizemos este fim de semana”, disse Button. “Como é evidente, está nas mãos da FIA para decidir o que fazer, mas a FIA já verificou os carros e já disse que são legais, então eu não estou esperando nada diferente”, completou Rubinho.

Button ainda confirmou que teve um sério problema nos boxes, quando entrou uma marcha errada e travou o câmbio, perdendo cerca de cinco segundos nos pits.

A respeito das mudanças nas regras para proporcionarem mais ultrapassagens terem surtido efeito, Trulli não se mostrou empolgado: “Eu não quero ser pessimista, mas eu passei muitas voltas atrás Fisichella, que foi um segundo ou um segundo e meio mais lento do que eu, sem conseguir ultrapassar, e eu realmente precisava, então eu estava realmente atacando, mas não dava para fazer isso. Talvez seja ligeiramente melhor, mas definitivamente no momento não mudou a minha corrida, mas vamos esperar e ver”.

Com o forte ritmo do final de semana, um jornalista questionou se Button acredita que ele e Rubinho serão “a versão moderna do duelo Senna vs Prost”: “Eu espero que sim. Mas tenho a sensação de que as outras equipes vão melhorar, e quando chegarmos a um tipo diferente de circuito, talvez, alguns outros carros que não foram tão competitivos aqui, na Malásia serão”
Fonte: F-1 na Web – Marcus Wagner