Stock Car: Pizzonia acredita que o piloto pode fazer a diferença em Santa Cruz

14 de maio de 2009

A pista de Santa Cruz do Sul é quase uma unanimidade entre os pilotos que disputam a Copa Nextel Stock Car. Praticamente todos eles gostam da variedade de curvas apresentada nos 3.530 metros do traçado gaúcho, que neste domingo (17/05) recebe a quarta etapa da principal categoria do automobilismo nacional.

No ano passado, em sua primeira experiência no autódromo, Pizzonia começou bem, terminando o primeiro dia de treinos na liderança. “Eu gostei muito da pista logo de cara, me adaptei bem rápido. Ela é uma pista difícil, e quanto mais difícil, melhor”, conta o competidor que acelera um Peugeot 307. Esta será a primeira vez que o novo carro da Stock Car anda neste circuito. “Apesar de perder velocidade em reta, por ter mais pressão aerodinâmica, ele é mais rápido em curvas, em comparação com o carro do ano passado. Isso vai tornar a pista ainda mais difícil e desafiadora para todos. Acredito que o tempo de volta deve cair”, revela o piloto de Manaus. Diferentemente das demais etapas do campeonato, Santa Cruz do Sul é uma corrida na qual o frio e a chuva não são surpresas para os pilotos. “A chuva é sempre esperada aqui, e pelo histórico da prova, quando chove acontecem muitos acidentes, muito pelo traçado ser bem técnico e difícil”, conta o amazonense. Apesar de gostar bastante de pilotar com asfalto molhado, ele acredita que nunca dá para avaliar se será bom ou ruim encarar a pista nestas condições. “A chuva pode ajudar e atrapalhar. Eu sempre gostei de pilotar no molhado, mas no momento da definição do grid de largada, a sorte pode influenciar, se você estiver no momento certo ou no momento errado na pista. Já para a corrida, iguala tudo”, conclui. Foto:Zé Mário Dias.