GT3 Brasil: Três corridas, três vencedores diferentes

31 de maio de 2009

Ford GT, Ferrari F430 e Dodge Viper Competition Coupé já venceram corridas neste ano no Itaipava GT3 Brasil. Carros tão distintos e que habitam os sonhos de quem é fã de automobilismo, e que disputam posições no maior evento de Gran Turismo do País, têm suas características que se adaptam a cada tipo de pista. Em Interlagos, o Ford GT com Constantino Junior e Clemente Lunardi venceu a prova inaugural da temporada, enquanto na segunda corrida a vitória ficou com o Ferrari F430 de Cláudio Ricci/Rafael Derani. Na etapa disputada ontem (30) em Curitiba, o Dodge Viper levou os jovens Ramon Matias e Matheus Stumpf à primeira vitória da dupla no Itaipava GT3.

“Isso é o resultado de um trabalho conjunto entre os departamentos técnicos da CBA (Confederação Brasileira de Automobilismo), da SRO Latin America, e também das sugestões do piloto oficial de testes da GT3”, afirmou Ivo Sznelwar, diretor técnico da empresa responsável pela organização do Itaipava GT3 Brasil. No início da temporada, o piloto francês Christophe Bouchut – testador oficial da SRO Organization para os campeonatos de GT3 na Europa – veio ao Brasil para realizar os testes de equalização nos carros que competem no Itaipava GT3 Brasil.

Os pilotos aprovaram. “Em três corridas tivemos a vitória de três carros diferentes, o que mostra o equilíbrio do Itaipava GT3 nesta temporada”, afirmou Rafael Derani. Seu parceiro no Ferrari F430, Cláudio Ricci, endossa o coro: “Acho que nunca foi tão equilibrado. É um sinal de que a categoria evoluiu muito. O desempenho dos carros está muito parecido”.

Na pista de Curitiba, cada um aponta um tipo de vantagem para seu bólido. “Estão todos bem parelhos, mas ainda estamos procurando o melhor acerto para o nosso carro. No entanto, no geral, o Ford GT tem um equilíbrio bom nesta pista”, afirmou Ricardo Rosset, que voltou ao Itaipava GT3 na rodada de Curitiba. Para Wagner Ebrahim, a longa reta é um fator positivo para o Dodge Viper. “Nosso carro tem motor bastante potente, e em uma reta como a de Curitiba isso é muito importante”, disse. Vencedores da corrida de ontem, Matheus Stumpf e Ramon Matias creditaram a vitória ao bom desempenho do Viper também em saídas de curva.

Correndo em casa, Alceu Feldmann apontou a boa tração do Porsche 997. “Ele não tem freios ABS como os Ferrari, por isso temos que frear um pouco mais cedo em cada curva. Mas a suspensão ‘gruda’ o carro no chão e o deixa bastante estável, embora um traçado com muitas retas como Curitiba não nos favoreça tanto”, apontou.

Para Allam Khodair, o trunfo do Ferrari F430 está nas freadas e contornos de curva. “São os pontos fortes do carro. Ele não tem tanta velocidade de reta como o Viper ou o Ford GT, mas é muito equilibrado e muito bom de guiar”, observou.

A quarta etapa do Itaipava GT3 tem largada programada para o meio-dia de hoje. A corrida terá Rafael Derani/Cláudio Ricci na pole position com o Ferrari F430 da equipe CRT e a prova terá transmissão ao vivo pela Record News. Sobre o Itaipava GT3 Brasil: Realizado por SRO Latin America, o Itaipava GT3 Brasil tem patrocínio da Itaipava e co-patrocínio da Pirelli. A Petrobras é o combustível oficial da categoria.