Lauda torna a criticar a atual crise da Fórmula 1

17 de junho de 2009

O tricampeão mundial Nick Lauda, conhecido por sua excentricidade, voltou a criticar a crise política vivenciada pela F-1 atualmente. Para o austríaco, o embate entre a FIA e as escuderias não passa da tentativa de “gestores egocêntricos” administrarem seus “feudos pessoais”. Lauda afirmou que os atores desse imbróglio estão mais interessados em suas “próprias agendas” do que no esporte. “O verdadeiro absurdo é que, a princípio, todos concordam sobre o problema da redução de custos. Com todos esses encontros, eu deveria ter comprado ações numa companhia de água mineral”, ironizou.

Para o ex-piloto, a verdadeira tragédia é o fato de ambas as partes exporem o conflito abertamente à imprensa mundial. “Todos estão mais preocupados em perder a honra e, por causa disso, tudo pode falhar. Seria a maior piada de todas”, comentou. Lauda ainda criticou o posicionamento da Ferrari, que assumiu um papel de liderança na luta contra o presidente da FIA, Max Mosley.

“Eles são o único time com contrato com a FIA até 2012 e, em anos anteriores, eles recebiam 100 milhões de euros a mais do que qualquer um”, afirmou. Para ele, a ideia de se criar um campeonato paralelo à F-1 é “ridícula” e “completamente irreal”. Sobre os efeitos desta crise, Lauda disparou: “eu nunca tinha vivenciado algo tão improdutivo quanto isso, em termos de efeitos externos. É um milagre que alguém ainda assista a isso: essas brigas não interessam a ninguém”. Fonte: F-1 na Web – Flávio Augusto.