Rally dos Sertões: Al-Ittiya e Edu Piano chegam como líderes a Palmas (TO)

28 de junho de 2009

O Rally dos Sertões se despediu do Estado de Goiás neste sábado (27), após a maior especial dos dez dias de competição. Foram 373 quilômetros cronometrados, com um total de 753 quilômetros percorridos até Palmas, capital tocantinense. Só hoje, os competidores subiram um trecho de serra, entraram no estado do Tocantins, voltaram para Goiás, passaram por estradas mais rápidas e desceram pelas famosas trilhas dos Kalungas. Além disso, eles enfrentaram três travessias de grandes de rios, passaram por Campo Alegre e seguindo por estradas rápidas até Paranã. Hoje (28), no trecho mais perigoso, o Rally dos Sertões chega à cidade baiana e Luís Eduardo Magalhães, com uma especial de 301 quilômetros, e haverá a disputa de um Super Prime.

Novo líder– O Touareg da Volkswagen segue ditando o ritmo entre os carros. Na especial de hoje, a dupla Nasser Al-Attiya/ Timo Gottschalk venceu e ultrapassou Carlos Sainz/ Lucas Sebastian, que finalizaram dois minutos atrás, por conta de um acidente envolvendo os espanhóis.

“No começo foi bem, saímos, corremos com o Nasser (Al-Attiya). Em uma curva para a direita, cai em uma valeta e esperei o Maurício (Neves) me salvar. Perdemos cerca de seis minutos com isso. Apesar do problema de hoje, está sendo um rally muito bom, bem bonito, com paisagens fantásticas”, disse Sainz.

Os brasileiros Maurício Neves e Eduardo Bampi, também com o Touareg, marcaram o terceiro melhor tempo do dia. “Não foi a especial mais dura, mas foi a mais longa, que apresentou um trecho de Trial grande e pesado no meio. Estávamos em um ritmo interessante, mais rápido do que o (Carlos) Sainz, até que o encontramos parado, caído. Paramos para ajudar e depois ele pediu para sair na nossa frente. Esperamos a poeira abaixar e perdemos um pouco de ritmo. Como não temos mais chances de vitória, jogamos pelo time”, explicou Maurício Neves.

Nasser Al-Attiya comemorou sua segunda vitória seguida em especiais. “Foi um dia muito bom. Fechamos em primeiro e estou muito feliz. Mas não foi fácil, foi realmente um dia muito longo e difícil. Está sendo ótimo competir no Brasil, o país é fantástico, único, e quero vencer esta corrida. Será muito bom para mim”, acredita o catarense.

Reduzido – Os caminhões, como ontem, tiveram a especial reduzida, devido a uma descida de serra que poderia colocar em risco a segurança dos pilotos e navegadores. A etapa para os trios foi de cerca de 70 quilômetros cronometrados. Em pouco mais de uma hora, o time Edu Piano/ Davi Fonseca/ Sólon Mendes confirmou novamente o melhor tempo com seu Ford 4000. Amable Barrasa/ Guilherme Petrine/ Raphael Bettoni (Ford 4000) garantiu a segunda melhor marca, seguido por Guido Salvini/ Weidner Moreira/ Fernando Chwaigert (Mercedes-Benz Atego 1725).

“Tiramos proveito do que nosso Mercedes-Benz Atego tem de melhor, que é a potência e robustez. Conseguimos recuperar um tempo bastante significativo, e sabemos que essa busca ainda é longa. Isso nos deixa bastante animados. Essa competição ainda vai dar o que falar”, disse Guido Salvini.

O piloto da equipe Petrobrás, André Azevedo, teve problemas com seu caminhão nesta etapa, e por isso finalizou em quinto lugar. “Tivemos uma quebra no suporte do amortecedor dianteiro esquerdo, andando assim nos últimos 50 quilômetros da especial de hoje. Sem este suporte não tem a ação dos amortecedores dianteiros, tirando totalmente o controle que tenho da direção do caminhão. Por causa disso, tive que andar bem devagar”, afirmou o competidor do Mercedes-Benz Ateto 1725.