FOTA acusa a FIA de descumprir acordo de paz e ameaçar o futuro da F-1

8 de julho de 2009

Quando o futuro da F-1 parecia caminhar em direção à paz, uma nova polêmica surgiu e coloca em xeque os avanços alcançados até agora. Nesta quarta-feira, a Associação de Equipes (FOTA) abandonou uma reunião técnica da FIA, que pretendia discutir as mudanças na regulamentação da próxima temporada. Em declaração oficial, a FOTA alegou que, durante a reunião, foi informada pela FIA de que as suas oito escuderias não estariam inscritas no campeonato 2010 e, por isso, não teriam “direito a voto, em relação às suas regulamentações técnicas e esportivas”.

“Os oitos membros ativos da FOTA foram incluídos na lista de inscritos confirmados, como endossado pelo Conselho Mundial de Esportes a Motor da FIA (WMSC) e comunicado por uma declaração da FIA publicado em 24 de junho”, defendeu-se a Associação. Partindo deste argumento, os representantes da FOTA exigiram um adiamento da reunião de hoje. “Isto foi negado, sob o argumento de que nenhum novo Acordo Concorde seria permitido antes que uma aprovação unânime das regras de 2010 fosse alcançada”, explicou.

“Contudo, fica claro para os times da FOTA que as bases das regulamentações técnicas e esportivas de 2010 já foram estabelecidas em Paris”, acrescentou. A Associação reiterou que, na reunião de 24 de junho, em Paris, foi endossado pelo WMSC e publicado pela FIA que “as regras de 2010 em diante serão as regras de 2009, bem como outras regulamentações aprovadas antes de 29 de abril de 2009”. “Em nenhum momento, nas discussões em Paris, foi feita qualquer exigência de um acordo unânime nas mudanças de regulamentação expressadas. Posteriormente, ir contra a decisão do WMSC e os detalhes do acordo de Paris coloca o futuro da F-1 em risco”, alertou a FOTA.

Ainda de acordo com a Associação, devido à impossibilidade de voto no Grupo de Trabalhos Técnicos, seus representantes “não tiveram outra opção a não ser encerrar suas participações”. Fonte: F-1 na Web – Flávio Augusto.