Stock Car: Antonio Pizzonia gostou da pista de Salvador

7 de agosto de 2009

A novidade de competir pela primeira vez na Bahia e num circuito de rua está animando todos os participantes da sexta etapa da Copa Nextel. Um dos mais contentes durante os treinos livres desta sexta-feira (07/08), que abriram as atividades em Salvador é o amazonense Antonio Pizzonia (Guaraná Dolly/Noma). “Está tudo muito bonito, foi um esforço muito grande de todos e que compensou. A Bahia e a Stock Car merecem que o evento seja de primeira qualidade”, afirma o piloto. A corrida acontece no domingo (09/08), com transmissão ao vivo da TV Globo a partir das 11h, dentro do Esporte Espetacular.

Como acontece tradicionalmente no Nordeste brasileiro, a temperatura foi bem alta no circuito montado nas ruas da capital baiana. A temperatura do asfalto chegou aos 41,5º Celsius. Os pneus alcançaram os 90º e o cockpit do carro de Pizzonia registrou 66º. “A pista é muito boa, bastante rápida para um traçado de rua. Eu cheguei aos 205 km/h”, explica o titular da Amir Nasr Racing, que entre outras pistas, tem a experiência nos traçados de rua de Mônaco, na Fórmula 1, e Long Beach, na Champ Car.

A única ressalva que Pizzonia faz no primeiro dia de treinos é uma melhor definição sobre as chicanes de pneus que foram colocadas no traçado de 2.774 metros. “Elas precisam ser mais bem fixadas. Quando um piloto encosta, ela muda de lugar. E quem vem atrás consegue atacá-las com mais velocidade, ganhando tempo”, explica o titular do Guaraná Dolly/Noma.

As duas sessões de treinos livres foram marcadas por interrupções, devido ao toque dos pilotos nas duas chicanes, principalmente na reta dos boxes. A cada toque era necessária uma bandeira vermelha que causava em média 5 minutos de paralização. “Hoje eu trabalhei pensando bastante na corrida. Amanhã vamos buscar o acerto ideal para o treino classificatório”, finaliza Pizzonia. Foto:José Mário Dias.