Rafael Derani/Cláudio Ricci, ampliam liderança na GT3:Brasil

22 de agosto de 2009

Ao contrário da sexta-feira, quando o clima se manteve instável, alternando momentos de pista seca com uma fina garoa, a nona etapa do Itaipava GT3 Brasil, disputada na tarde deste sábado (22) em São Paulo, ocorreu com pista seca, apesar do dia nublado. E a vitória ficou com a dupla formada por Rafael Derani e Cláudio Ricci, a bordo do Ferrari F430 da equipe CRT. Com o resultado, eles ampliaram a liderança no campeonato, somando agora 127 pontos, contra 106 de Thiago Camilo, quarto colocado neste sábado ao lado de Noberto Gresse.

Na largada, Rafael Derani manteve a liderança, apesar das investidas de Miguel Paludo (parceiro de Ricardo Maurício em um Porsche 997), que insistiu durante as duas primeiras voltas, chegando a quase concluir a ultrapassagem na curva do Bico de Pato. No entanto, Derani fechou a porta e manteve-se à frente. “Larguei muito bem, mas por onde eu olhava no retrovisor, tinha Porsche atrás de mim. Eu sabia que eles tinham uma tração muito boa e poderiam me surpreender na largada. Mas deu para segurar e depois consegui abrir um pouco, pois eu tinha uma preocupação: entregar o carro para o Cláudio (Ricci) com uma boa margem”, contou Derani.

Logo depois, Paludo perdeu a segunda posição para seu companheiro de equipe Thiago Camilo (companheiro de Norberto Gresse, Porsche 997). Com a briga por posição entre os dois carros da equipe WB Motorsport, o Ferrari número 3 abriu margem confortável até a parada obrigatória para a troca de pilotos.

Os primeiros a parar foram Paludo, Derani e Marcelo Hahn (parceiro de Allam Khodair, Ferrari F430), quarto colocado naquele momento. Camilo manteve-se na pista e ocupou a liderança até entregar o carro para Norberto Gresse, no final da janela de parada obrigatória. Após o fechamento dos boxes, Cláudio Ricci colocou o Ferrari da CRT de volta na liderança, com Ricardo Maurício em segundo e Allam Khodair – que fez a melhor volta da corrida, com 1min36s666 – em terceiro lugar.

A seguir, o que se viu foi uma briga intensa pela segunda posição, com Ricardo Maurício se defendendo dos ataques de Allam Khodair. “Eu sabia que o Ferrari era melhor de freada do que o Porsche, então eu segurava ao máximo para aproveitar a melhor tração do Porsche. Foi divertido”, lembrou Maurício. Na Curva da Junção, no quarto final da corrida, Khodair tentou a manobra de ultrapassagem. Os dois carros se tocaram e o Ferrari F430 da equipe Blausiegel rodou na pista. Mesmo assim, voltou e se manteve na terceira posição. “Era complicado passar o Porsche e o Ricardinho (Maurício) é um piloto muito experiente”, comentou Khodair.

Ricci caminhava para a vitória e parecia estar administrando o ritmo, mas Ricardo Maurício passou a aproximar-se perigosamente. E enquanto muitos pensavam que o piloto do Ferrari número 3 administrava seu ritmo, dentro do carro o que se passava era uma situação bastante difícil. “Faltando cinco voltas quebrou um rolamento de roda e o pedal do freio ficou mais baixo que o normal. Então eu tinha que frear antes e, além disso, o carro vibrava muito, por causa do rolamento quebrado. Sinceramente, pensei que não fôssemos completar a corrida, como aconteceu na primeira etapa do campeonato, quando ficamos sem gasolina na reta de chegada e perdemos a vitória (na ocasião, Ricci conseguiu cruzar a linha de chegada na segunda posição)”, lembrou o gaúcho.

“No final das contas deu tudo certo. Para nós foi muito importante o Rafa (Derani) ter feito uma boa largada e abrir vantagem, bem como a briga entre o Ricardo e o Khodair”, contou Ricci, que larga na pole position amanhã (23). Válida pela 10ª etapa, a corrida deste domingo terá largada ao meio-dia, com transmissão ao vivo pelo canal Record News e pela internet na RaceTV, no site http://www.racetv.com.br. Foto:Luca Bassani/Divulgação.