Scuderia 111 espera dar salto de rendimento no Rio de Janeiro

3 de setembro de 2009

O principal objetivo de toda a equipe em qualquer campeonato automobilístico do mundo todo é simples: buscar sempre o melhor desempenho do carro. Para isso, esforços não são poupados. Procuram sempre os melhores profissionais, aparelhos, materiais e pilotos. No caso do Itaipava GT3 Brasil, a Scuderia 111, que compete com um Lamborghini Gallardo e os pilotos Bruno Garfinkel e Chico Serra, trouxe um engenheiro da Europa para fazer o gerenciamento do motor e do câmbio do supercarro e buscar o melhor rendimento do modelo nas próximas etapas.

O chefe da equipe, Carlos Chiarelli, no entanto, garante que a vinda do alemão Michael Mülbauer não se trata de uma extravagância do time, mas sim de uma questão prática e também com o intuito de economizar futuros gastos.

“A gente trouxe um profissional da Reiter Engineerig, que cuida da preparação dos Lamborghini Gallardo na GT3 da Europa, para a etapa de São Paulo (dias 22 e 23 de agosto) para fazer o gerenciamento eletrônico do motor e do câmbio do carro. Acaba sendo mais barato trazer um especialista da Europa para fazer isso, do que a gente tentar fazer aqui no Brasil. Depois se quebrasse alguma coisa no motor ou no câmbio, o prejuízo seria bem maior”, ponderou Chiarelli.

Segundo o chefe da Scuderia 111, este tipo de procedimento é comum entre os times do Itaipava GT3 Brasil. Por serem carros importados, as máquinas do campeonato necessitam de uma atenção especial. “Quando alguma equipe tem de alterar esta parte de gerenciamento eletrônico dos seus carros, acaba chamando um engenheiro da empresa responsável pela preparação e desenvolvimento dos bólidos”, disse.

Chiarelli acredita que o visitante gostou do que viu no pouco tempo em que esteve em contato com a categoria brasileira. “O Michael nos acompanhou durante todo o fim de semana e se disse impressionado com o nível das equipes e do campeonato também. Agora esperamos que nosso desempenho melhore a partir da próxima etapa em Jacarepaguá (no Rio de Janeiro, dias 26 e 27 de setembro)”, encerrou. Foto:Luca Bassani/Divulgação.