Victor Corrêa larga da última fila em Portugal

12 de setembro de 2009

Brasileiro não participou da primeira classificação e na segunda seu carro quebrou novamente. 

A estréia do mineiro Victor Corrêa (Unifenas) no autódromo português de Algarve está muito mais complicada do que ele imaginava. Ele vai ter que largar da última fila nas duas provas que compõe a nona rodada dupla do Campeonato inglês de Fórmula 3. “É uma pena. Eu estava bastante animado quando cheguei aqui, mas só tive problemas. A expectativa para a primeira corrida é aprender o circuito o máximo possível e tentar acertar o carro também. Assim, na segunda talvez eu brigue pelo pódio”, espera. A 17ª e 18ª etapas acontecem neste domingo (13/09) em Portugal, às 05h30 e às 10h00, respectivamente, no horário de Brasília.

Devido à quebra de uma junta homocinética no primeiro treino livre na sexta-feira, Victor Corrêa não pode nem participar neste sábado da definição do grid de largada da 17ª etapa da Fórmula 3 Inglesa. “A equipe não tinha a peça de reposição nem aqui, nem na fábrica lá na Inglaterra. Tiveram que encomendar e ela chegou na hora em que ia começar a segunda classificação”, contou o piloto de Alfenas, sul de Minas Gerais, que havia dado poucos voltas pelo circuito português.

Na tomada de tempos da 18ª etapa Victor voltou a ter problemas, desta vez com o câmbio. “Na primeira volta fui rápido, a segunda foi muito boa, mas por questão de um problema no câmbio, quando eu tentava por a sexta marcha, ela não entrava na primeira tentativa. Aí eu tinha que forçar e perdia bastante tempo”, explicou o piloto da Unifenas. “Depois tive um outro problema, em que o giro do motor não descia totalmente quando eu tirava o pé do acelerador. Então, eu tentava por marcha pra baixo e não encaixava por causa do giro alto. Outra decepção. O pior de tudo é que tive pouca oportunidade de pegar a mão da pista e de acertar o carro”, completou Corrêa.

Mesmo com todos os problemas da equipe Litespeed e do SLC R1/Mugen Honda, o brasileiro acredita em ter um bom desempenho no domingo. “Mesmo com todas essas dificuldades, o traçado e a estrutura da pista são maravilhosos. Correr num país que fala português também anima. Vou com tudo para as corridas tentar brigar pelas posições, porque eu acho que tenho chance”, conclui Victor Corrêa, terceiro colocado na National Class. Foto: Jakob Ebrey/Divulgação.

A Fórmula 3 Britânica é dividida em duas classes – que correm juntas – em virtude da diferença de equipamento: na National Class os carros são de fabricação anterior aos chassis atuais e possuem menor potência e menor pressão aerodinâmica, servindo como porta de entrada a jovens pilotos no campeonato. Já na International Class os pilotos competem com equipamento de fabricação atual.