Piloto acredita em um novo salto de qualidade no Rio de Janeiro

15 de setembro de 2009

Depois de um nono lugar na etapa de Salvador, realizada em agosto, o piloto Felipe Maluhy, da equipe Tracker Racing, acredita que poderá obter um resultado ainda melhor na sétima etapa da Copa Nextel Stock Car, que acontece nesse final de semana (18, 19 e 20), no Autódromo de Jacarepaguá, no Rio de Janeiro.

Para Maluhy, a grande pausa na competição – a última corrida aconteceu em 9 de agosto, ou seja, um intervalo de 40 dias até o início etapa carioca – está sendo fundamental para a Tracker Racing conseguir consolidar o salto de qualidade iniciado em Salvador. “Iniciamos a competição com muitos problemas e os resultados foram muito aquém do que esperávamos. Mas felizmente em Salvador já conseguimos um avanço bastante grande no acerto do carro e terminamos entre os dez primeiros”, afirmou.

A previsão do piloto é confirmada por José Avallone Neto, chefe da equipe. “Fizemos uma revisão mais específica no carro e, por causa do grande intervalo que tivemos entre as provas de Salvador e agora no Rio de Janeiro, foi possível desmontar o carro todo e checar item por item”, afirmou. A confiança no bom trabalho da equipe faz Maluhy traçar planos mais audaciosos para essa etapa. “Acho que temos condições de brigar por uma vaga no Q3”, afirmou o piloto, referindo-se à terceira fase do treino classificatório disputada pelos seis melhores pilotos do dia.

Para conseguir cumprir essa meta, Maluhy deverá vencer um grande vilão: o calor. Os principais portais de meteorologia apontam temperaturas altas para o dia do treino classififcatório. “Calor não é bom para nada, prejudica os pilotos e também os carros. E exige muito mais do piloto, que tem que se adaptar a temperaturas altas dentro do cockpit do Stock, onde geralmente já é quente. As informações sobre o clima são muito importantes para a nossa preparação”, disse. Em contrapartida, pode chover no horário da corrida. “O risco de acidentes aumenta, mas a chuva tende a igualar um pouco o desempenho dos carros na corrida, a diferença entre eles diminui”, afirmou.

O piloto afirmou que o circuito de Jacarepaguá é um dos melhores do Brasil. “Era o melhor antes de as obras para a realização dos Jogos Panamericanos no Rio de Janeiro (em 2007) consumirem metade do traçado. Ainda assim, é uma pista muito boa que proporciona grandes corridas para o público”, afirmou. Foto:Luca Bassani/Divulgação.