Para Jimenes forte calor vai influenciar no resultado da prova em Brasília

5 de novembro de 2009

Mesmo depois de ter sido obrigado a abandonar a última corrida da Copa Vicar – divisão de acesso à principal categoria do automobilismo brasileiro, a Copa Nextel Stock Car –, disputada em Curitiba (PR), por causa da quebra da barra de direção de seu carro, o paulista Sérgio Jimenez, piloto da equipe GFS Software, segue bastante confiante para a sequencia da temporada. A oitava – e penúltima – etapa do campeonato acontece neste final de semana (07 e 08/11), no Autódromo Internacional Nelson Piquet, em Brasília (DF).

Embalado por seus últimos resultados – como a vitória em sua corrida de estreia na Copa Vicar (com pole position e melhor volta), em setembro, e o vice-campeonato da Monaco Kart Cup, ao lado de Nelsinho Piquet e Carlos Iaconelli, no mês passado -, nem mesmo o fato de a etapa brasiliense repetir a fórmula da prova anterior e acontecer também pelo anel externo da pista lhe preocupa. “O problema que tivemos em Curitiba não teve a nada ver com o tipo de traçado, mas mesmo assim espero não que não aconteça de novo”, ironizou o piloto, que ocupava a sexta posição quando deixou a prova.

Esta será a primeira experiência de Jimenez pelo circuito externo de Brasília, onde já correu pelo traçado misto em 2002, ano em que conquistou o título da temporada de estréia da Fórmula Renault no Brasil. Apesar da configuração perimetral de ambas as pistas nessas etapas, Jimenez destaca que as características do Paraná e do Distrito Federal são bem diferentes. “O traçado externo de Brasília é mais longo, com duas grandes retas e uma curva flat”, adiantou Jimenez, referindo-se aos 2.919 m do circuito brasiliense (contra os 2.550 m de Curitiba) e à tangência que antecede a reta dos boxes, a qual os pilotos contornam com aceleração máxima. “Fora isso, ao contrário de Curitiba, o asfalto brasiliense é muito antigo e abrasivo, e o calor também é muito forte, o que faz com que seja fundamental evitar o desgaste excessivo dos pneus no início da prova, especialmente os esquerdos, que apóiam o carro na maioria das curvas, feitas à direita”, completou o piloto do Astra de número 73.

No treino de classificação, previsto para as 10h15 de sábado e com a duração de uma hora, Jimenez espera contar com mais sorte do que nas etapas de Campo Grande (MS) e de Curitiba (PR). “Vai ser importante conseguir um bom vácuo, mas sem deixar que o carro da frente me atrapalhe. O difícil é encontrar esse equilíbrio”, avaliou o hexacampeão brasileiro de kart. “Também preciso achar uma volta limpa, sem tráfego, o que só aconteceu no Rio, quando larguei da pole”.