Coluna Paulo Valiengo: Affonso Giaffone Jr e a Stock Car

5 de fevereiro de 2010

Olá, moçada!

O automobilismo é um esporte individualista e altamente competitivo, e, em função disso, são raras as amizades travadas nas pistas de corridas. O ex-piloto Affonso Giaffone Jr., o mais velho dos irmãos, é uma grande exceção a essa regra básica do automobilismo. Ele é e sempre foi uma pessoa maravilhosa e inesquecível.

O Affonsinho Giaffone faz parte dos “Nobres do Grid” do automobilismo brasileiro. Disputou corridas com os melhores pilotos que escreveram a história desse esporte. Nesses meus trinta e poucos anos de automobilismo, nunca ouvi alguém que fizesse uma queixa ou reclamação do Affonsinho. Pelo contrário, todos que conviveram com ele nas pistas, só guardam uma ótima lembrança de sua figura e de suas atitudes.

Não vou me esquecer de uma corrida que foi realizada no autódromo de Tarumã, no Rio Grande do Sul, no primeiro ano de existência da Stock Car, em 1979. Eu nunca tinha andado naquela pista, que é a de maior velocidade média do Brasil e naturalmente estava um pouco apreensivo. O Affonso notou a minha preocupação e se ofereceu para andar na pista comigo, para me mostrar os segredos de Tarumã.

Deu várias voltas guiando o meu carro, na época um gigantesco Ford Galaxie, me ensinando todos os “macetes” daquela pista difícil. “… freia aqui, acelera acolá, não deixa passar do ponto na curva do Laço, cuidado com a curva do Tala que é traiçoeira, acelera tudo e segura por dentro na Nove”, ia falando enquanto guiava.

O Reinaldo Campello, outro grande piloto que também faz parte da história da Stock Car, brincando, perguntou se eu iria correr de Galaxie….Nem liguei, sabia que estava fazendo a coisa certa, buscando a orientação do Affonsinho. No domingo, embora tenha largado em último, por que não classifiquei, terminei a corrida em sexto e ainda bati o recorde da pista.

O Affonsinho foi campeão da Stock Car na temporada de 1981, na sua própria equipe, comandada pelo grande Jayme Silva, que também preparava o carro do seu irmão caçula, o Zequinha Giaffone.

Talvez o fato mais importante para ser contado a respeito do Affonso e o seu amor pela Stock Car, seja que em 1987, a General Motors de uma hora para a outra, deixou deixou de patrocinar a categoria. O Affonsinho Giaffone “bancou” sozinho por um ano inteiro, todas as despesas para que o campeonato pudesse ser realizado. Sem dúvida nenhuma, se o Affonso não tivesse tomado essa atitude inusitada, hoje em dia não existiria a Stock Car.

Na ocasião contou também com a colaboração de seu amigo Titonio Massa, pai do Felipe Massa, para construir as carenagens que foram usadas sobre as carrocerias dos antigos Opalas. Nesse mesmo ano, seu primogênito Affonso Giaffone Neto, começou a correr na Fórmula Ford, e foi o estopim para que Affonso em 1988, encerrasse definitivamente sua vencedora carreira no automobilismo.

O irmão mais novo, Zeca Giaffone, depois de ter sido inúmeras vezes campeão de kart, começou a correr de carros de turismo, por influência e obra do irmão Affonso. Estreamos juntos na temporada de 1978 e até hoje mantemos também uma forte amizade. A história dele, já contei para vocês outro dia.

Dessa forma, não há como negar a grande importância dos irmãos Giaffone ao longo desses 30 anos, para a existência da Stock Car. Fazem parte da memoria da categoria. É isso aí.

Escreva para o colunista: paulinhoxx@yahoo.com.br
visite: paulovaliengocomunicacao.blogspot.com

*A coluna publicada neste site expressa a opinião de seu autor.

Fotos: Divulgação/Miguel Costa Jr./Divulgação.