Volkswagen celebra 60 anos de produção mundial da Kombi

19 de março de 2010

A Volkswagen está comemorando esse mês os 60 anos de produção mundial da Kombi, um dos principais ícones da indústria automobilística, que no decorrer de sua história de sucesso e respeito, acumulou uma legião de fãs e a incontestável liderança no segmento de mercado em que atua.

Nos últimos anos, nenhum utilitário aliou tanta versatilidade no transporte de cargas e passageiros com baixo custo de manutenção como a Kombi. Ao longo dos seus 53 anos de produção no Brasil, o veículo acumulou 1.360.850 unidades vendidas (data de 1957 a fevereiro de 2010). Ela é o comercial leve mais popular do País e um dos preferidos dos frotistas. Atualmente, responde por 4.5 % (jan-fev 2010) do segmento de veículos comerciais leves, com 3.851 unidades comercializadas durante os dois primeiros meses desse ano.

Nos grandes centros, o veículo continua ganhando espaço, atendendo pequenos comerciantes, feirantes e grandes empresas de entrega rápida, além do transporte urbano convencional. No ano passado, suas vendas dividiram-se entre 71,4% para frotistas (empresas de médio e grande porte), 24,7% para varejo (pequenos empresários e compradores particulares), e 3,9% a órgãos governamentais.

O consumidor da Kombi possui um perfil bem diferente dos compradores de carro de passeio. Eles valorizam a relação custo-benefício, durabilidade, facilidade de manutenção, simplicidade mecânica e economia, atributos que fizeram o veículo conquistar os consumidores e manter-se líder em vendas em seu segmento há mais de cinco décadas.

“Todo brasileiro tem uma história com a Kombi, seja como o carro da família, o carro do trabalho ou o carro que o levou para a escola. É por isso que a Kombi exerce um fascínio nos consumidores e ainda conquista muitos colecionadores”, destaca Fabricio Biondo, gerente executivo de Planejamento de Marketing.

Concurso Público “Kombi 60 anos”

Para marcar essa data no Brasil, a Volkswagen está lançando a partir de amanhã (17/3) um concurso público, “Kombi 60 anos”. Os interessados deverão acessar um hotsite exclusivo – www.vw.com.br/kombi60anos – até o dia 15 de abril, ler o regulamento, efetuar o cadastro e contar um episódio da sua vida cujo tema é “Uma história que vivi com a Kombi”. O autor da melhor história levará para casa uma Kombi zero km. Os segundo e terceiro colocado ganharão um IPhone.

No dia 20 de maio, uma comissão composta por profissionais das agências Bullet e Almap, um executivo da área de Marketing da Volkswagen e um revisor contratado irá divulgar quem foi o vencedor da melhor história com base na originalidade, criatividade, forma de relatar o fato e envolvimento com a Kombi.

Uma trajetória de sucesso

A Kombi foi idealizada pelo holandês Ben Pon na década de 40, que pretendia incluir o confiável conjunto mecânico do Fusca em um veículo de carga leve. A produção do modelo começou na Alemanha em 1950. O destaque era a carroceria monobloco, suspensão reforçada e motor traseiro, refrigerado a ar, de 18,4 kW.

Em 1957, foram montadas as primeiras unidades no Brasil. Com um índice de nacionalização de 50%, a Kombi tinha motor de 1.200 cc. Menos de quatro anos mais tarde chegou ao mercado o modelo seis portas, nas versões luxo e standard, com transmissão sincronizada e índice de nacionalização de 95%. A versão pick-up surge em 1967, já com motor de 1.500 cc e sistema elétrico de 12 volts.

No ano de 1975, com uma nova restilização, a Kombi passa a ser equipada com o motor 1.6 l e, três anos mais tarde, o modelo ganha dupla carburação. O motor diesel 1.6, refrigerado a água, surgiu em 1981, mesmo ano do lançamento das versões furgão e pick-up com cabine dupla. No ano seguinte surge o modelo a álcool e em 1983 a Kombi apresenta um novo painel e volante, além da alavanca do freio de mão, que sai do assoalho e passa para debaixo do painel.

As versões a diesel e cabine dupla deixaram de ser produzidas em 1985, porém continuaram incorporando novidades e itens de conforto como cintos de segurança de três pontos, bancos dianteiros com encosto de cabeça, temporizador para o limpador do pára-brisa, entre outros. Em 1992 a Kombi ganhou conversores catalíticos de três vias, sistema servo-freio, incluindo discos na frente e válvulas moduladoras de pressão para as rodas traseiras.

Uma versão mais moderna chegou em 1997 com o nome de Kombi Carat, apresentando novas soluções, como teto mais alto, porta lateral corrediça e a ausência da parede divisória atrás do banco dianteiro. As mudanças foram realizadas sem abrir mão da versatilidade e da economia exigidas por seus fiéis consumidores.

No novo projeto, além de proporcionar mais espaço para cargas e conforto para passageiros, os engenheiros e técnicos da Volkswagen preocuparam-se em garantir uma carroceria mais resistente a impactos. O trabalho, que incluiu testes estáticos, dinâmicos e muita pesquisa resultou em uma carroceria de deformação programável, com reforços em pontos estratégicos que minimizam as conseqüências de uma colisão.

No final de 2005, a Kombi passou a ser equipada com o inédito motor 1.4 8V Total Flex (arrefecido a água), cerca de 20% mais potente, quando abastecido com 100% a álcool, ou 34% (gasolina), além de ser até 30% mais econômico que o antecessor refrigerado a ar, reforçando a máxima de que não há maneira mais barata e eficiente de se transportar uma tonelada de carga. Com o novo motor, a Kombi desenvolve potência de 78 cv quando abastecido com 100% de gasolina e 80 cv, com 100% a álcool.

A Kombi é produzida na fábrica de São Bernardo do Campo e está disponível em quatro versões: Standard (9 passageiros), Furgão (2 ou 3 passageiros), Lotação (12 passageiros) e Escolar (15 passageiros). Atualmente, a versão Standard corresponde a 79,8 % do mix de produção, com 8,9% cabendo à Furgão e 11,3% aos demais modelos.

Fotos: Volkswagen/Divulgação.