Ex-chefe de equipe de Massa e Di Grassi agora leva filho para a pista

26 de março de 2010

Como preparação para a disputa do Campeonato Veloterra Asfalto Zero (que começa em 18 de abril), o piloto Betinho Gardano disputará, neste final de semana, uma prova da categoria em Pedreira, Interior de São Paulo. O Veloterra é uma modalidade bem próxima do motocross e que privilegia a habilidade do piloto em um circuito em que não há rampas.

O fato de ser um dos campeonatos mais fortes do país atraiu o paulistano. “Este campeonato é equivalente ao Paulista, porém é mais forte e conta um número maior de pilotos”, afirmou. O piloto atingiu a maioridade no último dia 22 e compete há quatro anos na modalidade. Bicampeão do Dirt Action de Veloterra na categoria CRF-230, Betinho também é vice-campeão na VX2 (para motos importadas com até 250 cm3 de cilindrada). E a equipe de apoio a Betinho tem apenas um integrante: seu pai, Roberto, que no final dos anos 1990 foi chefe de um time de kart privilegiado, reunindo Felipe Massa e Lucas Di Grassi, ambos na Fórmula 1 atualmente.

“Sou o chefe da nossa equipe, mas também faço as vezes de mecânico, motorista, nutricionista, psicólogo… Faço de tudo um pouco. Somos uma equipe formada exclusivamente por pai e filho”, comentou Gardano-pai. “No fim das contas nós dois temos um grande desafio pela frente, mas é sempre muito divertido. O Betinho tem se dedicado e adora o esporte, então temos partilhado experiências muito bacanas neste anos em que formamos nosso pequeno time”, resumiu Roberto Gardano, que também possui larga experiência no automobilismo de pista e no fora-de-estrada.

“Vai ser uma corrida que vou usar como preparação. Mas isso não quer dizer que não entrarei na pista com toda determinação possível para vencer”, afirmou o piloto, que é patrocinado por Ferramentas Beta, GP Parts, Auto Neg e Sebilosky Preparações. Esta será a segunda corrida de Betinho na temporada. No último dia 14, o paulista disputou a primeira etapa do Campeonato Brasileiro de Veloterra em Rio Negro, no Paraná. “Eu me classifiquei em quinto, fui ganhando posições e estava em segundo durante boa parte da corrida, mas infelizmente acabei sofrendo uma queda e o motor da moto não ligou mais”, disse o piloto, que neste final de semana competirá a bordo de uma Honda CRF250R.

O piloto iniciou-se nas motos aos 12 anos de idade fazendo trilhas com uma motocicleta de 60 cilindradas, e em 2006 estreou em competições participando de uma prova de cross country em Jarinu (SP), quando venceu em sua categoria. Em 2007, iniciou sua carreira no Veloterra. No ano seguinte venceu cinco corridas e teve três segundos lugares de um total de oito provas na categoria CRF230.