Cilindro e pneu furado frustram recuperação de Bernoldi na GT1

2 de maio de 2010

Com a experiência de quem já esteve nas principais competições de monopostos do planeta, como Fórmula 1 e Fórmula Indy, Enrique Bernoldi (Sangari) tem se provado como um verdadeiro “escalador de pelotões” no Campeonato Mundial de GT1, torneio que reúne algumas das principais marcas da indústria automobilística mundial. Depois de largar em 15º e chegar em 6º na abertura da temporada em Abu Dhabi, e de ir do 14º ao 9º lugar na corrida de classificação disputada ontem (1º) em Silverstone, o paranaense largou em oitavo (graças à punição de um adversário por troca de motor) para entregar o Maserati MC12 ao companheiro de equipe Miguel Ramos na terceira posição.

“De início, tudo estava como planejávamos: fiz uma largada agressiva e estava em sexto já na primeira volta. Pude continuar subindo com um ritmo forte, fazendo ultrapassagens, e adiamos a nossa parada para troca de piloto até o último momento”, lembrou Enrique, que parou para trocar pneus e entregar o MC12 a Miguel Ramos faltando 27 minutos para o fim da corrida.

O português mantinha ritmo consistente, mas começou a cair na classificação da prova em virtude de uma falha em um cilindro do motor, que fez o carro perder considerável potência e velocidade. Tentando manter-se entre os dez primeiros que pontuam na Championship Race, Ramos se viu com outro problema: um furo no pneu traseiro direito, a quatro voltas do fim. O parceiro de Bernoldi, então, foi obrigado a encostar o carro e abandonar a corrida.

“Foi uma pena o que aconteceu, porque estávamos muito bem e fazendo uma ótima corrida. Tínhamos carro e velocidade para terminar entre os três primeiros. Estas coisas acontecem, infelizmente. Fizemos o possível. Agora é bola para frente, vamos nos concentrar na próxima corrida”, concluiu o paranaense.

A terceira etapa do Campeonato Mundial de GT1 acontece em Brno, na República Checa, no dia 23 de maio.

Foto:Divulgação.