Allam Khodair e Marcelo Hahn superam o melhor tempo do ano em Interlagos

15 de maio de 2010

O dia que traria respostas deixou mais uma porção de dúvidas entre pilotos e chefes de equipes da GT Brasil. Allam Khodair e Marcelo Hahn foram os mais rápidos após três sessões de treinos livres nesta sexta-feira (14), com 1min34s934, mas até mesmo eles destacam que só será possível ter uma ideia real da nova relação de forças na categoria nos treinos classificatórios e na primeira prova do fim de semana, que formam a programação de sábado (15). A expectativa é em função das mudanças de equilíbrio de desempenho promovidas para esta terceira etapa, que está sendo disputada no Autódromo de Interlagos – José Carlos Pace, em São Paulo (SP).

“Foi um treino bom, acabar em primeiro sempre é bom, mas ainda faltam algumas adaptações no carro e precisamos esperar para ter alguma referência melhor. Agora é descansar e pensar direitinho no acerto para tentar repetir esse tempo, o que não será fácil”, disse Allam Khodair. Marcelo Hahn, que divide com ele a pilotagem de um Lamborghini Gallardo LP560, gostou do resultado por estar exatamente no caminho do único objetivo da dupla: a vitória. “Para nós, é só o que importa, pensando no campeonato. Estamos acertando os restritores no nosso carro e sabemos exatamente onde está o nosso ponto. Vamos tentar repetir o primeiro lugar no fim de semana”, afirma Marcelo Hahn.

O Lamborghini Gallardo LP560 passou a contar com dois restritores de 42 mm. O Ford GT 40 está com dois de 44 mm. Por enquanto, o modelo da marca italiana vem mantendo o domínio que alcançou na primeira etapa, que teve as duas corridas vencidas pelos atuais líderes do campeonato, Rafael Daniel e Claudio Dahruj. “O carro é superior aos outros quando está assim, um clima mais fresco. Mas se esquentar os adversários vão se aproximar”, analisa Ricardo Maurício, que fez a segunda melhor marca do dia, com 1min35s160. Ele liderou boa parte da última sessão e tinha até chances de ficar com o primeiro tempo – fazia bons trechos quando foi atrapalhado por um carro mais lento.

“A avaliação que conseguimos fazer foi excelente e eu estou bem satisfeito, nós estamos evoluindo, é conseqüência de um trabalho. Estamos melhorando a cada etapa mesmo com as restrições impostas ao carro”, comentou Ricardo Maurício, que já registrou uma pole position nesta temporada, exatamente em Interlagos. “Se o Ricardinho (Maurício) repetir o desempenho de hoje e eu continuar com os tempos de volta que fiz, estaremos bem fortes no fim de semana”, revela o parceiro dele, Bruno Garfinkel. Em terceiro e quarto lugares ficaram outros dois modelos Lamborghini Gallardo LP560, com Chico Longo e Daniel Serra e Chico Serra e João Adibe.

Na verdade, a marca fez os cinco melhores tempos, porque teve o carro mais antigo, com terminação LP500, em quinto lugar com Marcos Gomes e Thiago Viana. Valdeno Brito e Matheus Stumpf, com Ford GT 40, terminaram em sexto – de acordo com Valdeno Brito as restrições tiraram quase meio segundo do carro. Na sequência, dois modelos Ferrari. Em sétimo, os atuais campeões Claudio Ricci e Rafael Derani. Logo atrás, o carro do Corinthians, com Linneu Linardi e Júlio Campos. Lico Kaesemodel e Aluízio Coelho, com Ford GT 40, ficaram em nono lugar. Líderes do campeonato, Claudio Dahruj e Rafael Daniel terminaram em décimo.

Walter Derani terminou em 11º, em parceria com Antonio Pizzonia com Ferrari F430. Cleber Faria teve problemas no treino, o carro ainda não alcançou a performance ideal após o acidente em Curitiba, e ficou em 11º. Vanuê Faria aparece logo na sequência, em 12º. Na lista, faltam os nomes de Pedro Queirolo, quarto colocado na tabela de pontuação, e Marcello Sant’Anna e Leonardo Vital. Eles foram impedidos de treinar por decisão da CBA. A medida foi tomada como punição – os três pilotos do Dodge Viper Competition Coupe treinaram na pista menos de trinta dias antes do evento, o que não é permitido por regulamento, mas foram abertas algumas exceções no início do ano.

“Como estávamos em desenvolvimento do carro, pedimos autorização verbalmente aos comissários e viemos treinar. Havia outros carros da categoria treinando também, mas só nós fomos punidos. Pelo que nos informaram, houve uma denúncia sobre o nosso teste, com fotos. Foi injusto porque a regra não vinha sendo aplicada para todos os pilotos”, conta Pedro Queirolo. A equipe recorreu, mas não houve tempo de conter o prejuízo. “Isso só nos estimula a fazer um bom trabalho na pista. A nossa intenção é ver um campeonato correto, equilibrado, de uma forma justa para todos”, comenta Marcello Sant’Anna. Os três pilotos podem voltar à pista neste sábado.

As equipes ainda têm mais uma chance de buscar o acerto ideal com o quarto e último treino livre, logo pela manhã de sábado. Depois, serão realizados dois treinos classificatórios e, na sequência, a primeira corrida do fim de semana, a quinta do campeonato, marcada para 15h50, com exibição dos principais momentos e da parte final na programação da RedeTV!. No domingo (16) a emissora transmite ao vivo e na íntegra a sexta corrida da temporada. Este é o quarto campeonato do Itaipava GT Brasil, que neste ano conta com duas categorias no mesmo grid, Itaipava GTBR3 e Itaipava GTBR4. Mesmo com a ausência de alguns carros em função de acidentes, a expectativa é de 26 participantes no fim de semana.