Fórmula 3: Victor Corrêa faz seu primeiro treino extra-campeonato

14 de julho de 2010

Apenas depois de participar de quatro corridas é que o brasileiro Victor Corrêa (Unifenas) teve a primeira oportunidade de fazer um teste de desenvolvimento com o carro de Fórmula 3 da equipe Motul West-Tec. No início desta semana ele participou de um treino extra-campeonato em Brands Hatch , pista próxima da sede do time, na Inglaterra.

“Como a equipe me convidou para participar do European F3 Open nas vésperas das corridas em Spa (Bélgica), e depois já viajamos para Magny-Cours (França) para a outra rodada dupla, não tivemos tempo de desenvolver o equipamento para o meu jeito de guiar e foi tudo feito na correria”, contou Victor, que mesmo assim subiu no pódio duas vezes em segundo lugar.

A equipe inglesa aproveitou a prerrogativa de que cada escuderia tem o direito de escolher uma pista para um teste particular durante a temporada, e o circuito britânico irá receber a próxima etapa do certame, nos dias 18 e 19 de setembro.

“Foi um treino muito bom. Como ainda estou me readaptando ao carro e conhecendo melhor o trabalho da equipe, consegui aproveitar ao máximo as duas sessões de treinos. Ainda preciso melhorar, mas estamos no caminho certo. Desde que sentei no carro para a minha reestreia, na Bélgica, não tive oportunidade de testar com calma, avaliando os diferentes componentes do carro. Estou gostando bastante da evolução do trabalho”, declarou o piloto de Alfenas, sul de Minas Gerais.

As outras equipes do European F3 Open são sediadas em outros países como Espanha, França e Itália, e não participaram do teste na Terra da Rainha. A equipe do piloto mineiro foi a única de sua categoria a usar o circuito para treinar, e mesmo sem referências imediatas, pôde aproveitar bem as duas sessões.

“O tempo aqui na Inglaterra está chuvoso, para variar um pouco”, brincou Victor. “Na primeira sessão, pela manhã, estava bem molhado, então fizemos um acerto para chuva que foi bom, o carro ficou bem rápido. Conseguimos passar esse acerto que pode ser útil caso venha a chover no dia da prova, e a probabilidade disso acontecer é grande”, revelou o brasileiro, único representante do país no torneio.

“Já na segunda sessão a pista secou e mudamos o acerto. Saímos com pneus lisos e a temperatura fria não ajudou, o carro escapava bastante. Mas como não choveu mais e o clima foi melhorando, pudemos avaliar também esse acerto. Agora já sabemos o que vamos usar em Brands Hatch , estamos preparados”, completou o piloto apoiado pela Unifenas.

Com dois segundos e um quarto lugares nas quatro provas que disputou, Victor espera que seus conhecimentos da pista de Brands Hatch tragam um resultado altamente favorável na retomada do campeonato no segundo semestre.

“Já ganhei nessa pista em outras categorias, e estava correndo aqui na Inglaterra antes de retornar à Fórmula 3. Pude aproveitar bem as mais de 60 voltas que dei nas duas sessões e na ocasião das provas inglesas vou me focar em fazer uma boa classificação para evitar as batidas, que me custaram a última prova. Espero que meu retrospecto aqui ajude”, disse Victor.

O European F3 Open é composto por 16 corridas em sistema de rodadas duplas com etapas na Espanha, Bélgica, França, Inglaterra e Itália. Já foram disputadas quatro rodadas, na Espanha (Valência e Jarama), Bélgica (Spa-Francorchamps) e França (Magny-Cours).

Confira os seis primeiros na classificação da Cup Class do European F3 Open após oito etapas:
1º) Aaron Filgueira (Espanha), 50 pontos;
2º) Luis Villalba (Espanha), 41;
3º) Noel Jammal (Líbano), 40;
4º) Nil Montserrat (Espanha), 35;
5º) Pedro Quesada (Espanha), 27;
6º) Victor Correa (Brasil), 20.