Hugo e Kaique superam a primeira fase da etapa Maratona

16 de agosto de 2010

O piloto Hugo Rodrigues e o navegador Kaique Bentivoglio terminaram a 6ª etapa do Rally dos Sertões (de 330 quilômetros de trecho cronometrado), e chegaram à pequena cidade de São Felix do Jalapão, TO. Hoje de manhã, eles largaram de Palmas, TO, e iniciaram a etapa Maratona, que só terminará amanhã, no final do dia.

A regra da Maratona é simples, porém, muito severa: quando os competidores chegam ao município dormitório, eles são obrigados a estacionar o carro em um parque fechado e sair imediatamente. O veículo não pode receber nenhum tipo de manutenção, e deverá largar para a especial seguinte, da mesma forma como chegou. Piloto e navegador têm apenas 30 minutos antes da largada, para mexer no que for necessário para prosseguir para a segunda “perna” da Maratona.

“Estou emocionado de ter chego até aqui, principalmente, porque tivemos problemas mecânicos durante o dia. Desde o começo do rali, eu só pensava na Maratona, estava extremamente tenso, pois encarar os obstáculos do Jalapão é bastante complicado”, contou Bentivoglio. A HR Racing fez o 10º lugar na Super Production e 28º na geral. “Está excelente, depois de tudo o que passamos. Fico feliz com essa colocação”, completou.

A dupla, que chegou a parar no meio da especial, acredita que a falha tenha sido ocasionada em virtude do filtro de ar. “O motor apagou, depois começou a oscilar… Tivemos muito trabalho para encontrar um jeito de continuar na disputa. Ficou a dúvida se íamos terminar, mas tomamos a decisão de não desistir, e Graças a Deus, deu tudo certo , comentou Rodrigues.

O piloto contou que em estradões onde facilmente atingiriam 160 km/h, a picape Mitsubishi L200 RS não passava dos 110 km/h. Foi um percurso bem difícil, embora rápido, com estradões de retas, areião bem pesado e alto sem visão. “Existe toda uma lenda sobre o Jalapão. Diversos pilotos o temem, dizendo que é a fase mais difícil e angustiante que há no evento. Nosso carro terá que aguentar amanhã, pois vamos pilotar nas pontas dos dedos, com um excesso extra de cautela”, falou Bentivoglio.

As equipes de apoio seguem direto para a cidade de Balsas, MA, ponto de chegada da 7ª etapa, e local onde os veículos receberão os merecidos reparos. Mas antes disso, eles ainda terão a maior especial desta 18ª edição do Rally dos Sertões: 485 quilômetros de especial, onde para começar, serão 60 quilômetros só de areia com trechos sinuosos e travados, seguindo por estradinhas de fazendas e erosões, lombas e travessia de pontes de todos os tipos. O percurso fica rápido na segunda metade, onde voltam os trechos de areia com longas retas e lombas. Na sequência, mais trilhas fechadas e trial.

Fotos:Gabriel Barbosa e DFotos/Divulgação.