Stock Car: Burti e Gomes tentam encontrar melhor estratégia

4 de setembro de 2010

Não foi exatamente uma surpresa, mas as constantes mudanças nas condições de pista chacoalharam a relação de forças no treino classificatório para a Corrida do Milhão, disputado neste sábado (4), no Autódromo de Interlagos – José Carlos Pace, em São Paulo (SP). A pole position ficou com Marcos Gomes. “Foi exatamente como prevíamos ontem, seria importante ter carro para aproveitar cada momento da pista. Esses pneus são muito sensíveis na questão de temperatura. É igual para todo mundo, mas tem gente que está sabendo explorar melhor a pista em situação ruim como estava na classificação”, comentou Luciano Burti.

O piloto da Itaipava Racing Team fechou os treinos livres da véspera entre os dez melhores, mas desta vez não conseguiu colocar o carro nas primeiras posições, vai largar em 22º. A pista estava mais quente. “Você compara o carro de hoje de manhã com o carro de agora e é completamente diferente, sendo que é o mesmo carro, o mesmo acerto. Todo mundo piorou, mas nós pioramos um pouco mais. Não estávamos preparados para a situação de pista. Tentamos nos preparar, mas não funcionou”, lamentou Luciano Burti. Diferente das provas anteriores, a Corrida do Milhão oferece outras possibilidades de recuperação, com duração de pouco mais de uma hora e dois pit stops (geralmente, as provas têm apenas um na Stock Car).

“Largar atrás é sempre ruim, mesmo aqui, que tem opções de estratégia. Agora temos que pensar em conjunto com a equipe, para saber o que vale mais a pena, partir para uma corrida agressiva ou conservadora”, revela Luciano Burti. A sétima etapa da temporada da Stock Car será disputada neste domingo (5), às 10h50, com transmissão ao vivo da Rede Globo. O companheiro de equipe de Luciano Burti, David Muffato, notou uma pequena evolução no desempenho do carro, mas não o suficiente para largar na frente e vai alinhar bem próximo do parceiro, em 24º.

“A pista mudou, mas até aí nós já esperávamos. De equilíbrio do carro, esta foi a vez que senti o equipamento mais ‘na mão’, diferente da parte da manhã, em que mesmo usando pneus novos o carro estava muito ruim”, contou. “Faltou um pouquinho na minha primeira volta, não arrisquei tanto num dos pontos do traçado, exatamente onde melhorei na segunda volta, mas aí não fechei como gostaria. Vamos pensar bem na estratégia, amanhã a corrida é longa, terá outro clima, muito mais fresco”, concluiu David Muffato.

Foto: Fábio Oliveira.