Cássio faz grande corrida de recuperação e busca volta por cima na temporada

5 de setembro de 2010

As condições para a disputa da quinta etapa da temporada 2010 da Copa Montana, neste domingo (05), no Autódromo de Interlagos, em São Paulo, não eram das mais fáceis. Na hora da largada, uma típica garoa paulistana caia sobre o traçado do circuito localizado na Zona Sul da capital paulista deixando o asfalto liso e perigoso. Mesmo com estas condições adversas, Cássio Homem de Mello (Pos Coco/Max Television/Advise Propaganda/Ogio/Electric/Corsa/Marketing de Varejo) fez uma grande prova de recuperação e conquistou a sétima colocação, após largar em 14º.

O piloto da Vogel Motorsports enfrentou alguns problemas para encontrar o melhor acerto para o carro ao longo dos treinos, mas sempre se mostrou confiante para a corrida, pois sabia que seu Montana rendia melhor com pneus usados.

“O carro estava muito competitivo durante toda a prova. Consegui fugir das confusões e toques que sempre acontecem na largada e depois consegui crescer na corrida. Mas, o ponto crucial em minha opinião, foi conseguir fazer as ultrapassagens sem perder muito tempo atrás dos outros pilotos”, comemorou.

Além de ter negociado bem na hora de ganhar as posições, Cássio também ressaltou o trabalho da equipe e o fato de ter conseguido administrar o consumo de pneu no começo da prova. “No começo da corrida, eu poupei muito os pneus. Não forcei muito e, com isso, cheguei ao fim da prova com um ritmo de corrida muito melhor que os outros, mesmo depois de desalinhar o equipamento e perder o power shift em um toque com o (Lucas) Finger, quando eu o ultrapassei. A equipe está de parabéns! Eles fizeram um trabalho fantástico e me deram um carro excelente. Se tivesse largado mais para frente daria para lutar pela vitória”, afirmou.

Agora, Cássio vai para a disputa da sexta etapa da Copa Montana, que será realizada daqui duas semanas, dia 19 de setembro, em Campo Grande (MS), com um novo astral na luta por uma recuperação na tabela de classificação. “Precisava de uma corrida boa. Principalmente, depois do que aconteceu comigo em Ribeirão Preto (SP, quando sofreu um forte acidente logo na primeira volta que danificou bastante o seu carro). A pista de Campo Grande é bem travada, além de o asfalto ser sujo e esfarelar. Estas condições, fazem desta uma corrida muito difícil. Ano passado foi meio loteria lá. O grid deu uma bela embaralhada. Espero ter um motor melhor, pois aqui em Interlagos eu perdia uns três décimos no último trecho, que é praticamente só a reta dos boxes. Com um motor melhor, acredito que vamos conseguir largar mais à frente”, analisou.

Foto: Luca Bassani.