Pedaço de plástico complica vida de Bruno Senna na Itália

10 de setembro de 2010

Um pequeno pedaço de plástico, provavelmente desprendido de algum selo do tanque de combustível, atrapalhou as duas primeiras sessões de treinos livres de Bruno Senna no Grande Prêmio da Itália. Foi só no final da segunda parte, quando o carro do brasileiro parou lentamente no circuito de Monza, que os técnicos da HRT F1 Team descobriram as causas da pane no sistema de combustível. “Era uma coisinha de nada, mas suficiente para impedir a passagem da gasolina”, explicou Bruno, que isentou a equipe de responsabilidade pela quebra.

“Não houve negligência. Simplesmente esse plástico, que já estava lá, se soltou dentro do tanque”, afirmou.

Com pouco tempo de pista, Bruno admitiu que os trabalhos de preparação para o restante do final de semana foram atrasados e a equipe precisará correr para descontar o prejuízo.

“Acho que andei mais na scooter dos fiscais de pista do que no meu carro”, brincou.

Como se não bastassem seus próprios problemas, o japonês Sakon Yamamoto, seu companheiro na equipe espanhola, também deu apenas cinco voltas no período da tarde por causa da quebra da segunda marcha.

Sem nada a fazer a não ser acompanhar os treinos do lado de fora, Bruno olhou com bastante atenção o desempenho das adversárias da HRT F1 Team, uma das três novatas da temporada. A Lotus voltou a revelar o melhor desempenho, mas a Virgin ficou bem próxima na folha de tempos. “Fiquei com a impressão que as duas equipes optaram por um acerto com pouca asa. Apesar do pouco que andei, acho que nossa performance não estaria ruim Se eu estiver certo, vamos brigar com Lotus e Virgin nas tomadas classificatórias.”

Foto: HRTF1/MF2