“Faltou preparo físico, mas eu ganharia a corrida”, diz Zandavalli, sexto no Velopark

12 de setembro de 2010

Maycon Zandavalli viveu um fim de semana de altos e baixos na sexta e antepenúltima do TNT Superbike, neste domingo (12) no autódromo gaúcho do Velopark, em Nova Santa Rita. Largando em 11º, o paranaense da Spiga Racing terminou a corrida na sexta posição. A vitória foi conquistada por Murilo Colatrelli, líder do campeonato, que recebeu a bandeirada final apenas três milésimos de segundo à frente de Alecsandre “Doca” di Grandi.

“Eu teria vencido essa corrida, tenho certeza. Mas cansei, o meu preparo físico não suportou tudo que essa pista exigiu”, declarou o piloto, após a corrida. Na primeira metade da prova, Zandavalli consolidou-se como mais rápido da pista em maioria das voltas, o suficiente para ter ocupado a terceira colocação depois de 12 voltas. “Cheguei no Colatrelli e no Doca, mas aí o cansaço bateu, comecei a perder a concentração e errei”, admitiu.

Zandavalli reconheceu que sua Honda CBR 1000RR ofereceu-lhe o nível de competitividade suficiente para a segunda vitória na temporada. “A moto estava muito boa. A gente enfrentou um pouco de dificuldades nos treinos com a chuva, mas a corrida foi no piso seco, o equipamento estava mesmo muito forte. Não há motivo para esconder, eu não aguentei o ritmo da corrida. No final, cansado, perdi ritmo e posições. Queria que fosse diferente, mas não foi”.

O piloto também manifestou ressalvas às condições da pista do Velopark. “Não dá para fazer corrida de motos aqui, é muito perigoso. Principalmente com a pista molhada. Para o automobilismo acho que os conceitos são outros, mas para a moto é muito perigoso. Não estou criticando nada nem ninguém, só que minha opinião é que, para motovelocidade, o lugar é muito perigoso. Tivemos algumas quedas, um piloto quebrou o pé. Felizmente foi só isso”.

Com o sexto lugar no Velopark, Zandavalli, que tem apoio da Ronin Tools, manteve-se em quarto lugar na classificação do TNT Superbike, com 95 pontos. Colatrelli lidera com 131 pontos. O vice-líder José Luís “Cachorrão” Júnior tem 127 e Di Grandi, 122. A prova também valeu como décima etapa do Superbike Series Brasil, que tem Colatrelli líder com 211 pontos, contra 199 de Di Grandi, 192 de “Cachorrão”, 171 de Bruno Corano e 128 de Zandavalli.