Helio Castroneves vence em Motegi e passa a registrar 25 vitórias na Indy

20 de setembro de 2010

Depois de liderar 153 das 200 voltas da prova e assinalar também a melhor volta (na 13ª passagem), o piloto brasileiro Helio Castroneves faturou hoje no Twin Ring Motegi, Japão, uma de suas vitórias mais emblemáticas. O resultado na 16ª e penúltima etapa da Indycar garantiu a ele a 25ª conquista na Indy. Ele somou a pontuação máxima possível, 53 pontos, e subiu para o 3º lugar no campeonato.

Também ficou claro que a injustificável punição a ele aplicada em Edmonton, quando foi alijado de uma vitória assegurada na pista na pista, interferiu de maneira cabal, na sua condição de candidato ao título. Não fossem os episódios do Canadá, o brasileiro estaria agora com quatro vitórias e  541 pontos, ou seja, na luta direta pelo título na última prova do ano, que acontecerá no próximo dia 2 de outubro, em Homestead (FL).

O título será decidido entre Will Power (Team Penske) e Dario Franchitti (Chip Ganassi Racing), respectivamente, 3º e 2º em Motegi. O australiano lidera com 587 pontos, contra 575 do escocês e 501 de Castroneves, o 3º.

Diferentemente do que ocorreu na sua vitória anterior, em Kentucky, dessa vez o piloto do Team Penske não fez uma prova baseada na economia de combustível. Pelo contrário, manteve um ritmo constante e de alta performance desde a largada, quando permaneceu na ponta após partir da pole position, obtida no dia anterior.

Os agrupamentos que resultavam das bandeiras amarelas que se acumularam, em total de cinco (50 voltas neutralizadas no total), eram dissipados logo nas primeiras voltas após as relargadas, comprovando um desempenho praticamente inalterado. O trabalho eficiente nos pits do Team Penske também contribuiu para a vitória. Castroneves parou quatro vezes e em todas elas foi devolvido à pista na frente.

“A equipe está de parabéns e essa vitória é especial, para ser festejada por todos nós”, disse Castroneves. “O carro esteve muito bem acertado o final de semana todo e deu para andar num ritmo bem forte. Nos pits, meu pessoal foi ótimo”, completou. O único problema relatado por ele foi em uma das relargadas, quando deu uma “traseirada” e perdeu posição para Ryan Briscoe (Team Penske) e Franchitti. Na recuperação, conquistou uma posição na pista e superou o companheiro de equipe nos pits.