Equipe fará análises posteriores no carro de Lucas

11 de outubro de 2010

Faltavam poucos minutos para a largada do Grande Prêmio do Japão, 16ª etapa do Mundial de Fórmula 1, e com os boxes abertos, todos os pilotos faziam suas voltas de instalação e se dirigiam para o grid. Procedimento normal em qualquer categoria do automobilismo, mas que na madrugada deste domingo (10) revelou-se em um grande susto para Lucas Di Grassi (Clear, Sorocred, Locaweb, Eurobike, Schioppa).

O VR-01 do brasileiro subitamente perdeu o controle na curva 130R, a mais rápida do circuito, normalmente contornada a cerca de 300 km/h. “Foi muito esquisito. Eu estava preparando o carro para o grid, e na curva ele começou a ir reto, eu corrigi e ele simplesmente apontou para o outro lado”, relatou Di Grassi. O impacto frontal no muro se deu a cerca de 270 km/h, segundo o piloto.

A Virgin Racing fará novas análises no bólido número 25 com o intento de encontrar a causa do acidente. “Ainda não temos certeza do que quebrou no carro, mas é possível que tenha acontecido alguma coisa. Eu perdi o controle em uma situação que não é normal e vamos fazer uma análise mais profunda do que aconteceu”, afirmou o brasileiro.

Os danos no carro de Lucas o impediram de disputar a corrida, para a qual o estreante alimentava boas expectativas já que, horas antes, havia superado seu companheiro de equipe, o experiente Timo Glock, tendo sido mais rápido que o alemão no treino classificatório.
“Eu estava feliz com meu desempenho no treino classificatório e confiante em mais melhoras, porque até então eu havia completado menos de 30 voltas durante todo o fim de semana”, destacou Lucas, que já se concentra na disputa do inédito GP da Coréia, no dia 24 de outubro.

“Pelo menos estou inteiro e feliz em estar bem fisicamente. Vou continuar com a cabeça erguida e trabalhar para melhorarmos o conjunto. O carro a gente reconstrói e vamos para a próxima”.