F-Future Fiat: Nicolas, novo líder, e Alvarenga dominam no DF

18 de outubro de 2010

A quinta rodada dupla da Fórmula Future Fiat deste domingo no Autódromo Internacional Nelson Piquet (Brasília) foi positiva, sobretudo, para dois pilotos. O carioca Nicolas Costa marcou a pole no sábado, ganhou a primeira prova e correrá a última rodada em Santa Cruz do Sul como favorito ao título. Quem também teve motivos para comemorar foi o paulista Vini Alvarenga, vencedor pela primeira vez no campeonato e ‘melhor da rodada’ com o segundo lugar na décima etapa. O piloto Felipe Massa, idealizador do Racing Festival, esteve na pista e viu de perto a disputa da garotada. “Nada melhor do que ganhar diante dos olhos do nosso padrinho. Estou aprendendo bastante e aproveitando a oportunidade de participar desse campeonato. Estou muito feliz”, comemorou Vini Alvarenga.

Assim como Alvarenga, o líder do campeonato também nunca tinha andado no circuito da Capital Federal, mas acredita ter feito um bom trabalho. “Comecei aqui sem conhecer nada da pista. Não tive como aprender porque o simulador não tem esse circuito, mesmo assim busquei o máximo de informação e acho que o resultado foi positivo”, explicou Nicolas Costa, dono de 110 pontos na classificação e sete de vantagem para os vice-líderes João Jardim e Francisco Alfaya (103 pontos).

Na rodada que definirá o ganhador da vaga na Academia de Pilotos da Ferrari e da temporada paga na Fórmula Abarth italiana, em Santa Cruz do Sul (RS), dias 11 e 12 de dezembro, João Jardim espera melhor desempenho. Para isso, vai intensificar os treinamentos. Em Brasília, ele marcou um sétimo e um terceiro lugares e perdeu a ponta da tabela. “Como não fui bem na primeira bateria, larguei na pole na segunda e só me interessava a vitória, mas não deu. Espero que em Santa Cruz o que aconteceu comigo aqui possa se repetir com o Nicolas ou com o Alfaya. Vou treinar bastante até lá”, explicou o ex-líder da classificação.

A primeira corrida em Brasília foi bem disputada. A chuva que caiu na madrugada diminuiu a aderência do asfalto e forçou a garotada a mudar de estratégia. João Jardim, segundo no grid, errou na calibragem dos pneus e cruzou a segunda volta nas últimas posições. Melhor para Nicolas Costa, que conseguiu abrir na frente e não chegou a ser incomodado antes de receber a bandeirada em primeiro. Vini fez uma boa largada e acabou em segundo, à frente de Felipes Apezzatto, outro jovem estreante nos monopostos. “Sabia que a largada seria importante e tracionei bem. Foi o grande segredo aqui em Brasília”, contou Alvarenga, que foi aos 87 pontos e encostou nos ponteiros da classificação.

O gaúcho Francisco Alfaya teve um fim de semana complicado no circuito brasiliense. Sofreu com problemas no carro e também com a falta de conhecimento sobre a mais extensa pista do calendário, com 5.475 metros. Sem condições de brigar pela vitória em nenhuma das baterias, ele teve um fim de semana regular e marcou um quarto e um quinto lugares. Ao menos, pôde manter a vice-liderança e vai buscar o título da Fórmula Future Fiat correndo no Rio Grande do Sul. “A ideia era ter sido um pouco melhor aqui em Brasília, mas tive vários problemas e não consegui meu objetivo”, definiu o ‘Menino Voador’, como é conhecido na pequena cidade de Tapes (RS).

Na segunda prova do dia, válida pela 10ª etapa, Vini Alvarenga venceu fácil, com o potiguar Johilton Pavlak em segundo. João Jardim completou o pódio. “Acho que a gente sempre pode melhorar, mesmo quando se ganha. Não penso muito no resultado, só no meu rendimento mesmo. Queria agradecer minha família, meu tio (José Moisés), que nunca tinha me visto correr de kart… Tinha até um pessoal que eu não conhecia e me segue no Twitter. Isso é bem legal, foi um fim de semana cheio de disputas e a galera acho que saiu satisfeita”, declarou Johilton, quarto na classificação com 93 pontos. “Vou com tudo para a última etapa. Enquanto houver chances, eu vou batalhar por essa vaga na Ferrari.”

Felipes Apezzatto não foi bem na última bateria, mas subiu ao pódio na primeira corrida. “É só o meu primeiro ano em monopostos, não tive oportunidade de treinar fora das corridas e acho que tenho aprendido bastante. A categoria é muito equilibrada e claro que gostaria de ter ido melhor, mas estou satisfeito. Ainda mais se levarmos em conta que comecei andando atrás no fim de semana eu fui buscando a evolução”, explicou piloto paulista de 17 anos.