Pachenki estabelece pódio como meta na etapa de Santa Cruz do Sul

21 de outubro de 2010

Administrar a liderança de um campeonato, em grande parte dos casos, pressupõe a adoção de uma postura conservadora na competição. O que não é o caso da Copa Montana na temporada 2010. Faltando três corridas para o fim da temporada, o líder é o paranaense Diogo Pachenki. Sua vantagem sobre Eduardo Leite, o vice-líder, é de apenas dois pontos. Para Rafael Daniel, o terceiro, de 12. Uma vitória na categoria vale 25 pontos.

“Se tem uma coisa em que eu não posso pensar nesse momento é aliviar o ritmo”, diz Pachenki. “Na última corrida, em Campo Grande, eu tive de deixar um monte de gente me ultrapassar, mas era porque meu carro tinha problemas com os pneus. Mesmo sendo líder, preciso ter uma atitude de ataque, ir para cima”, diz o piloto, sobre a sétima das nove etapas, que será disputada neste domingo (24) no autódromo gaúcho de Santa Cruz do Sul.

Pachenki mostra-se tranquilo quanto ao nível de competitividade do carro número 6 da Nascar Motorsport, que tem as logomarcas de Ecoflex, Mion, Revista Diference e Boutique do Sono. “O carro tem sido bom, em geral, não é à toa que a gente está na liderança. A equipe teve um desempenho bom em Santa Cruz do Sul no ano passado, com o Juliano Moro, e isso é outra coisa que pode nos ajudar a conseguir outro bom resultado”, ele torce.

Campeão da categoria de acesso à Stock Car em 2004, Pachenki lembra que, nas duas últimas temporadas, o título foi conquistado por pilotos que fizeram entre 115 e 120 pontos. “Eu tenho 85 e faltam três corridas. Se eu for ao pódio nas três, todas como terceiro, marco mais 48. Com o descarte de dois resultados, como manda o regulamento, jogo fora uma corrida em que não pontuei e os seis pontos do décimo lugar em Campo Grande. Vou a 127”, supõe.