Stock Car: Pizzonia larga em quarto na etapa de Santa Cruz

24 de outubro de 2010

O amazonense Antonio Pizzonia colocou a equipe Hot Car Competições (Agecom/Bardahl) na segunda fila do grid de largada para a 10ª etapa da Copa Caixa Stock Car, que será realizada neste domingo (24), em Santa Cruz do Sul (RS). Com o quarto lugar, o piloto repete sua melhor posição no grid este ano. Em Ribeirão Preto (SP), Pizzonia também largou em quarto e chegou ao pódio, em terceiro.

Já o companheiro Betinho Gresse acabou atrapalhado e não conseguiu passar para as fases seguintes do classificatório (Q2 e Q3), disputado neste sábado (23). O paulista, que venceu em Santa Cruz em 2007 pela Stock Light, vai largar na 25ª posição.

A pole position para a etapa deste domingo ficou com o líder do campeonato, o piloto Max Wilson, que dividirá a primeira fila com Popó Bueno. A largada da prova será às 11 horas (ao vivo no SporTV e compacto dentro do Esporte Espetacular da TV Globo).

“Já era para termos largado bem nas duas últimas etapas, ter estado no Q3, brigando pela pole, mas os problemas que aconteceram com outros carros jogando óleo na pista, em Campo Grande e Londrina, nos atrapalharam muito. Mas já vínhamos entre os mais rápidos nos treinos e hoje deu tudo certo”, comentou Pizzonia, que está completando este ano 20 anos de carreira.

“Largar na frente é sempre importante, mas o que vale agora é amanhã. Em outras provas, tivemos alguns problemas mecânicos, que nos perseguiram nesta temporada, mas estamos confiantes e esperamos que aqui a história seja diferente”, completou o amazonense.

Amadeu Rodrigues, chefe da equipe Hot Car, comemorou a posição na segunda fila do grid. “O resultado veio confirmar o que já havíamos dito ontem, quando usamos pneus bem ruins. Hoje passamos o jogo novo e o carro se comportou perfeitamente e o Pizzonia aproveitou muito bem as voltas. A única dúvida é que durante o Q3 o carro dele apagou sozinho, talvez tenha tido alguma pane elétrica, mas ele conseguiu ligar e voltar. Se isso não tivesse atrapalhado, poderíamos largar ainda mais à frente”, destacou Rodrigues.

A alegria do time só não foi completa, porque Gresse não conseguiu passar para o Q2. “Faltou acreditar mais na volta do pneu. Além disso, eu saí do box atrás do Rodrigo (Sperafico) e do Giuliano (Losacco). Logo na freada da primeira curva, nós fomos atrapalhados e tiramos o pé. Quando fomos fazer a segunda volta, alguma coisa quebrou no carro do Giuliano e ele me atrapalhou um pouco. Acabei ficando de fora do Q2 por dois décimos”, explicou Gresse.

“O problema de largar lá atrás é que sempre há alguns incidentes. Mas temos um carro consistente e acho que dá para chegar na zona de pontos. Não está nada perdido, só mais difícil”, concluiu o paulista.

Foto: José Mário Dias / Divulgação

Foto: José Mário Dias / Divulgação