Simulado abre a Fórmula 1 em São Paulo

25 de outubro de 2010

“O Brasil gosta da Fórmula 1. E a Fórmula 1 é o grande evento da cidade de São Paulo.  Interlagos está pronto para receber a prova, mais uma vez”. A frase é do prefeito Gilberto Kassab, que visitou sábado o autódromo e acompanhou o ensaio geral para o Grande Prêmio Petrobras do Brasil de Fórmula 1 que acontece no próximo dia 7 de novembro. Kassab, acompanhado de secretários, do presidente da SP Turis, Tasso Gadzanis, e da diretora-executiva da Interpro, Claudia Ito, observou as melhorias na pista e, depois, almoçou com os promotores.


“Estamos cumprindo nossa promessa de continuar melhorando as condições do autódromo. A reforma da pista de 2007 foi muito bem feita e não se desgastou. Ainda construirmos novas arquibancadas de alvenaria no futuro entre outras mudanças. A corrida é muito importante pois atrai turistas e traz dinheiro para a cidade”, explicou o prefeito.

Claudia Ito, responsável pela organização da prova, explicou ao prefeito que todas as obras estão de acordo com o cronograma e que não haverá atrasos. “O prefeito gostou muito de tudo”, disse Claudia.

Em Interlagos, Kassab vistoriou as aplicações de grama sintética, faixas de bordo pintadas com tinta antiderrapante, novas lavadeiras e a área de escape na curva 5. E recebeu informações sobre o softwall que será instalado na Subida do Café. Todos esses recursos aumentam as condições de segurança do traçado. O softwall, barreira de aço galvanizado com proteção de espuma de poliestireno de  alta densidade, absorve melhor o choque e assegura mais proteção para os pilotos em caso de acidente. A grama sintética oferece mais resistência ao atrito do que a grama natural enquanto a tinta antiderrapante garante a mesma aderência do asfalto, principalmente com a pista molhada.

Para a simulação de largada e outros procedimentos de pista foram utilizados nove carros de Fórmula 3 e dez Alpies. O trabalho de resgate e atendimento médico foi desenvolvido pelo Corpo de Bombeiros e equipe do Hospital São Luiz sob o comando de Pedro Rozolen, diretor-médico adjunto do Grande Prêmio. O trabalho contou, ao todo, com 200 bombeiros (cem deles só na pista) e demais componentes das equipes de sinalização, logística, postos luminosos, etc.

O grid do GP Petrobras do Brasil de Fórmula 1 contará com 24 carros com o tanque cheio de combustível – total de cerca de 6 mil litros –  já que não há mais reabastecimento. Além dos ‘firecars’ equipados com pó químico, teremos 14 bombeiros no pitwall e extintores extras.