Rally das Serras começa hoje com Super Prime noturno

14 de novembro de 2010

O clima é de decisão em Santa Catarina. A cidade de São Joaquim recebe neste final de semana a segunda edição do Rally das Serras, válido pela penúltima etapa do Campeonato Brasileiro de Rally Cross Country de Velocidade para carros, caminhões, motos e quadriciclos. A largada para os 270 quilômetros da prova acontece na segunda-feira (15), feriado da Proclamação da República, mas a noite anterior vai servir para pilotos esquentarem os motores de suas máquinas – e espantar o frio – no Super Prime, que será realizado no Parque da Maçã, a partir das 20h30.

Piloto da casa, Marlon Koerich destaca a importância do evento na noite de domingo. “Muita gente vê como um evento secundário, mas não é nada disso. Embora geralmente não se ganhe nada no Super Prime, pode se perder muito no caso de algum acidente”, apontou. “Mas é muito bom para tirar a ansiedade do piloto, mas tem que andar com tranquilidade, cuidando do carro. E no caso do Rally das Serras, o evento vai ser noturno, e acho que a maioria não está muito acostumada a isso”, disse o piloto da MEM Motorsport/Gillette, que corre ao lado do navegador Deco Muniz.

“Na verdade, a gente sempre quer um bom resultado. São pilotos aqui, e todo mundo alimenta este espírito competitivo”, ressalta Klever Kolberg, campeão da categoria Etanol no Rally dos Sertões e líder da Pró-Etanol no Campeonato Brasileiro. “O fato é que o Super Prime é importante para o piloto ficar bem classificado na ordem de largada do dia seguinte, para que não haja carros mais lentos à frente – porque negociar ultrapassagem no meio da especial, com poeira na cara, não é nada fácil”, exemplificou.

“Você tem que andar rápido, mas precisa ter um certo cuidado para não fazer besteira, porque aí não dá tempo de recuperar o carro para o dia seguinte. É pouco a ganhar, mas muito a perder”, concluiu.

Para Marcos Moraes, da MEM Motorsport/Gillette, vice-líder da categoria Protótipos, 18 pontos atrás de Jean Azevedo/Emerson Cavassin, este Super Prime ganha ainda mais importância para a definição de uma boa ordem de saída. “É sempre um momento importante da competição, e para mim particularmente, ganha ainda mais neste quesito por ser a penúltima etapa do campeonato”, disse.

“Há que se ter o cuidado para não prejudicar o trabalho no restante do rali, porque a condição climática vai ser uma variável interessante. O clima aqui muda muito rápido, e sinceramente espero que tenhamos sol na segunda-feira”, afirmou Marcos, que tem Edu Sachs como navegador a bordo do Sherpa.

O evento – Na segunda-feira, dia 15 de novembro, feriado da Proclamação da República, será a largada simultânea de todas as categorias às 9h, no Parque Nacional de Maçã. Um pouco mais tarde, às 10h, começam as especiais, sendo que motos e quadris largarão em Lava Tudo, enquanto carros e caminhões sairão de Coxilha Rica. A cerimônia de premiação está prevista para as 13h30, também no Parque Nacional da Maçã.

O II Rally das Serras terá 270 quilômetros de percurso, e passará pela região de Coxilha Rica, que engloba as cidades de São Joaquim, Painel, Lages e Vacaria, com uma diversidade enorme de terrenos e desafios, como acontece no Deserto do Jalapão, no estado de Tocantins. O trecho foi assim dividido: 50 km de deslocamento até a especial, 188 de trechos cronometrados, e 32 km de radar. Haverá ainda um abastecimento para todos no quilômetro 100 da especial, no vilarejo de Bentinho. A base será montada no Parque Nacional da Maçã, em São Joaquim, que já se prepara para receber o II Rally das Serras.