Stock Car: Diferenças mínimas definem o grid em Brasília

20 de novembro de 2010

Um segundo e os pilotos vão do céu ao inferno. A disputa do classificatório para a 11ª etapa da  Stock Car, neste sábado (dia 20), em Brasília (DF), foi apertadíssima, como já é característica do anel externo do autódromo Nelson Piquet. Nas três tomadas de tempo, a diferença entre o líder e o último colocado foi menor que um segundo. Levou a melhor o líder do campeonato, Ricardo Maurício, que não deu chances aos adversários e cravou a pole position, a primeira do ano.

O paranaense Rodrigo Sperafico surpreendeu e vai largar em segundo, seguido por Allam Khodair, terceiro no campeonato. O vice-líder Max Wilson parte da sétima colocação. Neste domingo (21), a penúltima etapa do ano terá sua largada às 11 horas (ao vivo na TV Globo, dentro do Esporte Espetacular).

Na equipe Hot Car Competições (Agecom / Bardahl), os pilotos Antonio Pizzonia e Betinho Gresse conseguiram evoluir os seus carros, mas não alcançaram bons resultados. Pizzonia larga em 21º e Gresse, em 27º.

O amazonense, que completa 20 anos de carreira em 2010, ainda enfrentou problemas com o motor, que deve ser

trocado para a prova. “Provavelmente, teremos de trocar. Perdi pouco menos de dois décimos na reta, mas aqui conta muito. Então, na dúvida, melhor trocar”, comentou Pizzonia.

A esperança é que o circuito favorece as ultrapassagens e a prova (com 46 voltas ou 50 minutos) deve ter muitas trocas de posições. “Evoluímos em todos os treinos, mas o tempo não veio. Conseguimos ganhar performance, mas não sabemos porque o tempo não foi melhor. Agora é correr com a cabeça, porque a corrida vai ser bem tumultuada e a pista favorece as ultrapassagens. Quem usar melhor o push-to-pass e souber administrar o consumo dos pneus também vai se dar bem”, frisou Gresse.

Fotos: Cleonice Zonta e José Mário Dias.