Gressi e Pizzonia têm classificação difícil em Curitiba

4 de dezembro de 2010

A decisão da Stock Car, neste domingo (dia 5), no autódromo internacional de Curitiba, em Pinhais (PR), será eletrizante. Na briga pelo título, Allam Khodair levou vantagem e sairá em segundo, atrás do pole Thiago Camilo, que está fora da disputa pelo campeonato. O líder Max Wilson parte da terceira posição. Ricardo Maurício é o oitavo e Cacá Bueno, o 11º. A 12ª etapa terá sua largada às 11 horas (ao vivo na Rede Globo).

Na equipe Hot Car Competições (Agecom / Bardahl), Betinho Gresse (Foto) e Antonio Pizzonia não conquistaram os resultados esperados e não conseguiram passar para o Q2 (segundo classificatório). Gresse vai largar em 21º e Pizzonia, em 28º.

“Fiquei a seis décimos do mais rápido no Q1, mas não foi o suficiente. Apesar do nono tempo, no treino da manhã, mantive sempre os pés no chão. De dentro do carro, a sensação é que estava bom, mas infelizmente, o tempo não vira. Se somar todos os meus melhores trechos, eu entraria no Q2”, declarou Gresse.

Pizzonia enfrentou problemas com o carro desde os primeiros treinos. “Em momento algum, estivemos competitivos. O carro já começou mal. Pra mim, como piloto, é algo frustrante. Tivemos uma temporada com muitos altos e baixos e eu não imaginava encerrar o ano assim”, lamentou.

Amadeu Rodrigues, chefe da equipe, também lastimou os problemas no carro do amazonense. “Foi uma somatória de coisas, que acabou resultando nesta posição. O carro do Antonio vinha apresentando uma vibração e, antes do classificatório, descobrimos que o cardã estava quebrado e era necessário trocar. O Antonio também teve um problema de bloqueio dos freios”, explicou.

“No caso do Betinho, acredito que o carro esteja bom. Faltou encaixar os trechos, tanto que ele fez a melhor parcial do trecho 2. Mas as diferenças foram muito pequenas também. Vamos trabalhar para conseguir melhores resultados amanhã”, finalizou Rodrigues.