Stock Car: Átila Abreu termina campeonato em quinto. Max Wilson é campeão

6 de dezembro de 2010

Curitiba assistiu a mais dramática decisão da história da Stock Car. Em virtude da chuva que caiu domingo (05/12) sobre o autódromo da capital paranaense, o título foi passando de mão em mão até que nas últimas voltas Max Wilson (RC Eurofarma) garantiu a faixa ao receber a bandeirada na oitava posição, suficiente para somar 265 pontos, um a mais do que Cacá Bueno (Red Bull). Em terceiro ficaram empatados Ricardo Maurício (RC Eurofarma) e Allam Khodair (Blau Fuul Time) com 251 e Átila Abreu (AMG Motorsport) em quinto com 234 pontos. A vitória da 12ª e última etapa do campeonato ficou com Diego Nunes (Bassani Racing).

“O título ficou em boas mãos, ele está de parabéns. O Max Wilson comprovou ser um grande piloto e vai representar bem a Stock Car”, garante Ingo Hoffmann, diretor esportivo da equipe AMG Motorsport (3M/Poliron/Ferramentas Beta) e maior vencedor da categoria com 12 títulos.

A prova começou com tempo seco, mas logo na segunda volta começou uma garoa fina. Com uma estratégia ousada, a AMG Motorsport chamou Thiago Marques (Cimed Medicamentos/Alpina/Super Cola/Votomassa) para ser o primeiro a entrar para os boxes e calçar pneus de chuva. O resultado disto é que na 11ª volta, quando todos já tinham trocado para pneus ‘biscoito’, o paranaense apareceu liderando a prova.

“Conseguimos uma boa vantagem porque o meu carro estava muito rápido. Foi uma pena ter levado um toque lateral na largada que soltou o meu capô, que acabou voando. Era a prova mais ganha da minha vida. Infelizmente o automobilismo tem dessas surpresas”, lamentou o curitibano, que foi ultrapassado por Diego Nunes quando se encaminhava para o Box.

Quinto colocado no campeonato, Átila Abreu (Zinco Jeanswear/Santa Carolina/OTG/Baterias Líder/Pioneer) estava se encaminhando para terminar entre os seis primeiros na corrida quando levou uma batida de Cacá Bueno antes da última relargada. “O carro vinha bem na chuva. Acho que o Cacá quis ‘queimar’ a relargada e encheu a minha lateral traseira, entortando a suspensão”, contou o mais jovem (23 anos) piloto da Stock Car.

“O Átila fez uma tremenda temporada até começar o playoff. Ele veio numa crescente durante o campeonato, mas teve alguns problemas mecânicos e azar nas últimas etapas. Com certeza ele fez por merecer ficar entre os melhores do ano”, elogia o ‘chefe’ Ingo Hoffmann.

“Foi uma temporada muito boa, a melhor da minha curta carreira”, diz Átila que foi oitavo em 2008 e sétimo no ano passado. “Fiz pole, venci corrida e liderei boa parte do campeonato. Infelizmente não conquistamos o título que almejávamos, mas vamos aprender mais para voltar a brigar com mais força em 2011”, planeja.

Fotos: André Santos.