Dakar Amarok Logbuch 7

2 de janeiro de 2011

Por: Carlos Lua direto de Buenos Aires.

Dez voltas de dez km cada uma
A largada do Dakar vai se aproximando rapidamente e a Equipe Volkswagen, com toda a tranqüilidade, aproveita para fazer um shake-down dos seus quatro carros em uma fazenda próxima a Buenos Aires. Foram dez voltas de dez quilômetros para cada um em estradas vicinais uma espécie de relaxamento e de tomada de contato outra vez com o carro antes da largada. Tudo certo na estrada e na sexta-feira dia 31 às 9:30 da manhã os carros passarão pela vistoria técnica. Hoje foi o dia das Amarok.

Amarok na Vistoria OK
Tudo controlado e em ordem nos Race Touareg 3 e tudo inspecionado e em ordem nas Almarok que o pessoal da imprensa vai usar. A fila do Touareg foi sempre de apenas quatro carros, já as Amarok enfrentaram (como todos) um pouco mais de congestionamento para serem verificadas. Tudo em ordem nesse campo também, bastando então aos jornalistas se entregarem à Sessão Seção. Isso mesmo o Programa de percorrer os diferentes Departamentos. Carimbo do sistema de satélite, dos cintos, do arco de proteção, do sistema de sinalização, do tracking eletrônico e das fichas médicas. Ao todo 14 carimbos e 30 checagens distribuídos em 14 guichês e duas bancas de examinadores. Tudo funcionando coordenadamente, mas com as incontroláveis filas. No final todas Amarok aprovadas e prontas pra acompanhar, presenciar e aproveitar uma disputa que se preanuncia cada vez mais apaixonante. Até mesmo duas Amarok não de fábrica foram vistoriadas e liberadas para correr na Categoria T2, aquela com carros praticamente de série.

Enquanto as informações sobre navegação aumentam, as noites vão ficando mais curtas
Os co-pilotos vão recebendo novas notícias em relação à navegação do Dakar 2011: como já havíamos comentado as novas regras passaram um número muito menor de informações concretas sobre as especiais, nem mesmo as distâncias exatas foram divulgadas. Ficou tudo para o dia 31 que é quando os Race Touareg fazem a sua vistoria técnica, enquanto isso os navegadores correm atrás do Google Earth e de outras ferramentas públicas disponíveis para tentar adivinhar o que esperar pela frente. O jeito é trabalhar de noite, em conjunto, assim que receberem as informações.

Enquanto isso todos vão tendo os seus 15minutos de fama
Piltos, co-pilotos, engenheiros, mecânicos, assessores, familiares, curiosos, fãs, espectadores, conhecedores e curiosos vão dividido o espaço na La Rural para vender seus produtos, comprar os produtos dos outros e fazer fila atrás de uma voltinha em uma Amarok no circuito de testes. A felicidade é geral e o empenho é total nas coletivas de imprensa onde se fala muito dos patrocinadores e mais ainda sobre o respeito aos adversários e ao percurso que joga uma grande interrogação sobre as expectativas. É voz corrente que a primeira metade do percurso, os primeiros sete dias, será fácil se comparada à segunda metade que vai crescendo em ameaças. È sabido que existe muita guerra psicológica em tudo isso, muita cortina de fumaça, muita vontade e muita magia. Tudo possível apenas em um Dakar, digno deste nome.

Fonte: Textobras – Zarhi El Malek.  Fotos: Divulgação.

A coluna é redigida por Carlos Cintra Mauro, o Lua. Um dos mais respeitados jornalistas da área automotiva e eutomobilística,  iniciou  sua carreira na mídia pela publicidade. Engenheiro mecânico e apaixonado por automóveis, teve passagem pelo rádio (Jovem Pan), pela  Sport Tv onde editou o programa Linha de Chegada e hoje integra a equipe da Race TV (www.racetv.com.br).