Dakar Amarok Logbuch 15

10 de janeiro de 2011

Sainz volta a vencer, com três dos seus companheiros logo atrás.

Por: Carlos Mauro Cintra Lua, direto de Arica, Chile.  Na opinião geral, o dia mais difícil e perigoso do Dakar 2011 até agora. Dunas, pedras, variação de altitude e o início de muito fesh-fesh, aquela areia fininha, tipo talco, por aqui chamada de guadal, que entrou definitivamente nesta etapa e promete permanecer durante as próximas quatro. Nada disso abalou a Equipe VW, que pode comemorar os quatro primeiros lugares nos 265 km’s cronometrados dos 456 percorridos hoje. Carlos Sainz/Lucas Cruz, no Race Touareg #300, venceram a 4ª das seis etapas disputadas neste Dakar, desta vez com meros nove segundos de vantagem sobre a dupla Nasser Al-Attiyah/Timo Gottschalk, do Race Touareg #301.

Velocidade, durabilidade e prudência
Stephane Peterhansel partiu na frente e liderou os primeiros pontos de conometragem por margens mínimas de dois ou três segundos. Logo depois foi ultrapassado pelo Race Touareg #302 de Nasser/Timo e também pelo – 300 de Sainz/Cruz. O Time VW acelerou com uma combinação perfeita de navegação precisa e condução rápida, porém prudente, evitando as pedras do caminho e moderando o ritmo quando era impossível evitá-las. Agindo assim, os quatro Race Touareg 3 chegaram ao final dividindo entre si quatro pneus furados: um de Sainz, dois de DeVilliers e um (daqueles furos onde o pneu perde ar lentamente) de Mark Miller. Já Peterhansel sozinho furou quatro pneus e ainda cometeu um erro de navegação. Resultado? 12min 25seg de atraso para Sainz e todos os quatro Race Touareg 3 à sua frente.
Por falar nisso, o placar de vitórias em carros em especiais no Dakar agora marca Peterhansel 22 x Carlos Sainz 21!

Race Touareg 3 da Volkswagen agora em 1º, 2º, 4º e também em 6º geral
A dupla Sainz/Cruz ,no Race Touareg 3 #300, têm agora 2min 42seg de vantagem sobre os seus companheiros de equipe Al-Attyiah/Gotttchalk, no Race Touareg 302, e 14min 51seg sobre o BMW X3 301, de Pettrehansel/Cottret. Os Race Touareg 3 de De Villeirs/Von Zitzewitz e Miller/Pitchford ocupam agora 4º e 6º na geral, respectivamente 31min09seg e 1h13min19seg atrás do líder.

Duas baixas no Brasil
Spinelli/Haddad (Mitsubishi) vão mantendo muito bem 8º lugar na geral ( e 1º na categoria de carros movidos a gasolina) depois de conquistar a 9ª colocação na difícil etapa hoje. Koerich/Cavassin (Mitsubishi) subiram para 17º na geral depois da 19ª posição de hoje. Entre as motos, Zé Hélio (BMW) infelizmente caiu e quebrou a clavícula: “fui ler o Road Book, tirei o olho do caminho, acertei uma pedra e cai por cima da moto aterrissando na areia fofa e pronto, foi uma pena, mas o Dakar é assim mesmo, no domingo estou de volta ao Brasil”. Jean Azevedo (KTM) subiu para a 13ª posição. Fica aqui a nossa admiração por esse punhado de brasileiros que vieram ao Dakar e que mesmo sabendo das dificuldades, resolveram com coragem e determinação enfrentar o desafio.

O sobe e desce da Amarok
Depois de estar presente no km 56 da especial, assistindo de perto à passagem dos competidores, as Amarok enfrentaram os 350 km de sobe e desce de Iquique até Arica. Saindo do nível do mar, indo a quase 2.000 metros de altura, voltando a descer ao nível do mar, subindo outra vez para 1300 metros de altitude, mantendo esse nível de cruzeiro por um tempo para depois dar um mergulho final de volta ao Oceano Pacífico. Pronta para um dia de descanso.

Fonte: Textobras – Zarhi El Malek.  Fotos: Divulgação.

A coluna é redigida por Carlos Cintra Mauro, o Lua. Um dos mais respeitados jornalistas da área automotiva e eutomobilística,  iniciou  sua carreira na mídia pela publicidade. Engenheiro mecânico e apaixonado por automóveis, teve passagem pelo rádio (Jovem Pan), pela  Sport Tv onde editou o programa Linha de Chegada e hoje integra a equipe da Race TV (www.racetv.com.br).