Dakar Amarok Logbuch 20

12 de janeiro de 2011

De Villiers conquista a nona vitória.

Por:  Carlos Lua, direto de Chilecito, Argentina – Depois de seis etapas com o timbre chileno, o Dakar 2011 voltou nesta 11ª Etapa ao solo argentino. Antes, porém, de atacar a especial mais temida (apesar de curta com apenas 176 quilômetros cronometrados) nas dunas brancas de Fiambalá com destino final na cidade de Chilecito, mais uma travessia dos Andes. Um total 686 km de deslocamento que deixaram a todos bem alertas para a especial que premiou mais uma dupla da Equipe Volkswagen, com o seu Race Touareg 3, aquela do 308 de Giniel De Villiers/Dirk Von Ziztewitz, que conquistaram assim a nona vitória VW em 10 etapas disputadas este ano. Nasser (que ficou em 3º) continua na frente na classificação geral, seguido por Sainz (que ficou em 4º) a 12min 37seg

Volkswagen 1º, 4º, 5º e 8º na traiçoeira Fiambalá
Sainz largou na frente e ficou preso em uma duna, perdeu muito tempo logo no início e teve que fazer uma prova de recuperação. Depois de estar 15 minutos atrás de Nasser, que então liderava, se recuperou quando a dupla do Race Tuareg 302 também teve problemas de navegação e acabou chegando a apenas 9min19seg atrás. Boa oportunidade para a dupla DeVilleirs/Ziztewitz, que com o seu Race Touareg 3, venceu com 4min23seg de vantagem sobre a dupla da BMW X3 307, Holowiczyc/Fortin, e com 5min38seg sobre outra BMW X3, a 301 de Peterhansel/Cottret, que teve que trocar o câmbio ainda durante o deslocamento inicial. A dupla Race Touareg 304, Miller/Pitchford, terminou o dia no 8º lugar e segue em 5º na classificação geral.

Nada definido ainda
A vantagem da dupla do Race Touareg 3 302, Nasser Al-Attiyah/Timo Gottschalk, é grande (12min37seg) mas eles não querem comemorar nada porque sabem que a etapa número 11, entre Chilecito e San Juan, tem 622 quilômetros de desafios em um cenário de filmes de bangue-bangue. Começa ao amanhecer, a 1.200 metros de altitude, vai a mais de 3.200 metros de altura na Serra da Punilla e termina a econômicos 600 metros de altitude em San Juan. Um palco especial para esse duelo, que a dupla Qatar/Alemanha quer usar para manter distantes seus companheiros de Equipe, a dupla Espanha/Espanha.

Mais Brasil nas dunas
Jean Azevedo marcou seu ponto fez 11º e pulou para 8º na geral. Guiga Spinelli/Youssef Haddad fizeram 10º e seguem em 9º na geral. Marlon Koerich/Bina Cavassin, até ás 18 horas, ainda tinham que negociar o ponto mais alto das dunas a 50km da chegada.

Um pequeno teste de 700 km para a Amarok
Dividir com as motos, carros e caminhões inscritos no Dakar, a subida (em estrada de terra com curvas à vontade, pendências inacreditáveis com direito a fesh-fesh, temperatura de -3,5º centígrados e tudo mais) até 4.750 metros de altitude foi uma aventura especial que durou quatro, das oito horas e meia, de viagem entre Copiapó e Chilecito, onde a temperatura é de 38º à sombra. Na viagem, rápida e sem sustos, apenas as paradas obrigatórias para controles na fronteira e para um mergulho nas piscinas naturais de águas quentes (26º) que ficam á beira da gélida Laguna Verde, a quase 4.000 metros de altitude. Só mesmo de Amarok.

Fonte: Textobras – Zarhi El Malek.  Fotos: Divulgação.

A coluna é redigida por Carlos Cintra Mauro, o Lua. Um dos mais respeitados jornalistas da área automotiva e eutomobilística,  iniciou  sua carreira na mídia pela publicidade. Engenheiro mecânico e apaixonado por automóveis, teve passagem pelo rádio (Jovem Pan), pela  Sport Tv onde editou o programa Linha de Chegada e hoje integra a equipe da Race TV (www.racetv.com.br).