Salão de Detroit amplia espaço para sustentabilidade

12 de janeiro de 2011

O Salão de Detroit abre as portas para o público, estimado em 700.000 pessoas, no próximo sábado, dia 15 e, até o dia 23 de janeiro, mostra 37 lançamentos mundiais e 600 veículos que serão apresentados no Centro de Exposições Cobo, na área central da cidade, uma grande parte deles com tecnologias anti-poluentes.

Além da preocupação das montadoras, em relação ao caminho “verde”, de baixas ou zero emissões de poluentes, diversas tecnologias inovadoras destacam-se nos estandes, especialmente as relacionadas aos motores movidos a baterias elétricas e, também, a ampliação do número de empregos na indústria automobilística norte-americana, o que demonstra importante recuperação na economia dos Estados Unidos.

Ao convidar empregados e clientes, de diversos países, para participar do evento, a Ford fez uma apresentação emocionante de sua estratégia, para a imprensa especializada. Foi uma demonstração ao vivo do que significa a globalização para a empresa e a sua tecnologia unificada no projeto “One Ford”, empregada em todos as regiões onde mantém produção. Para representar o Brasil, foi convidado o engenheiro carioca Luiz Henrique Lima, o primeiro brasileiro a adquirir o recém-lançado Fusion Híbrido no mercado nacional.
Na apresentação de Alan Mulally, CEO da Ford, o executivo comentou que a empresa tem um olhar mais conservador e prudente em relação ao futuro da motorização “elétrica”. Todavia, para ele, é importante que a Ford desenvolva tecnologias e, cada vez mais, invista em modelos híbridos (plugáveis ou não) e motores elétricos solos, caso do novo Focus Electric, lançado em Detroit.

Além disso, Mulally pretende continuar nas ações de engenharia para a evolução dos motores Ford tradicionais, alimentados com injeção direta e turbinados, com o objetivo de favorecer os consumidores da marca com sensível redução no consumo de combustível.