Carros e quadriciclos encerram Piocerá

29 de janeiro de 2011

Há um ditado popular no sertão que diz: “chuva é sinal de felicidade”. Esse foi o sentimento com que os competidores do Rally Piocerá nas categorias carro, quadriciclos e moto rally encerraram a prova mais técnica dos últimos anos. Já esperando um dia de trilhas com muita lama, estendido em uma paisagem de carnaubais, os “ralizeiros” desceram a serra e foram agraciados com muita chuva ao longo do caminho, acentuando os atoleiros e o lamaçal entre Ubajara (Ce) e Jijoca de Jericoacoara (Ce). O 4º e último dia de prova, nesta sexta-feira (28) foi radical.

A descida da Serra Grande, no Ceará, por uma trilha nunca antes explorada, motivou ainda mais os pilotos de moto rally que mostraram perícia e coragem, enfrentando estreitas passagens, margeados por um abismo impressionante.

No trecho do atoleiro, as máquinas possantes de tração 4×4 levantaram uma onda de lama, provando que os competidores estavam preparados para as maiores adversidades. A chuva, na verdade, tornou-se uma aliada e garantiu um espetáculo de manobras. E os percalços de uma prova tão exigente, como o Piocerá, não poderiam faltar. Foi o que aconteceu com a dupla Oscar Marino e Genara de Oliveira (Equipe TV Globo) que abandonou a prova de hoje, já no final do dia. Eles corriam na categoria carro expedição e por causa de uma pane elétrica não conseguiram concluir.

Um show à parte ficou por conta dos quadriciclos. Abrindo as trilhas dos carros, foram eles que, de cara, entraram logo na lama e desafiaram os atoleiros. No páreo para levar o 1° lugar na categoria quadriciclo graduado, Arnoldo Silveira Júnior (CE) e Hernaldo Marinho Segundo (PB). “Terminei o rally numa felicidade imensa. Acredito que essa é a sensação de todo mundo”, disse Arnoldo, que na etapa anterior terminou o dia em 2º lugar, à frente do conterrâneo Tom Rosa.

A chegada dessas modalidades foi em Jijoca de Jericoacoara, no litoral do Ceará. Uma multidão lotou a praça central para prestigiar pilotos, navegadores e todos os envolvidos no maior rally de regularidade da América Latina. De lá, os competidores se deslocaram até Jericoacoara, que faz parte de Jijoca, pela praia do Préa, cruzando o Parque Nacional de Jericoacora. Uma área de preservação ambiental de 6.850 hectares, declarada APA (Área de Preservação Ambiental) em 1984 e que virou parque em 2002. Na sua entrada, todos foram recebidos e orientados pelos fiscais do ICMBIO – Instituto Chico Mendes de Conservação de Biodiversidade sobre as normas de tráfego no local.