Veículos equipados com catalisador irregular pioram a qualidade do ar

1 de fevereiro de 2011

A qualidade do ar em grandes centros urbanos, como São Paulo, é preocupante, entre outros fatores, pela quantidade de veículos em circulação equipados com um catalisador ineficiente ou falso. De acordo com dados da Secretaria Municipal do Verde e Meio Ambiente, entre fevereiro e novembro de 2010, 75% dos veículos reprovados na Inspeção Veicular o foram em função das emissões de hidrocarbonetos (HC) e monóxido de carbono (CO) acima do permitido. Além disso, 5% dos carros verificados apresentaram problemas no catalisador. “Esses dados são expressivos e comprovam que a população não dá a devida atenção às emissões nocivas de seu veículo”, comenta Carlos Eduardo Moreira, gerente de Desenvolvimento de Negócios da Umicore, principal fabricante de catalisador automotivo do País.

Uma das iniciativas para reduzir a taxa de reprovação na Inspeção Veicular e, ao mesmo tempo, garantir melhor qualidade do ar, é a realização de uma pré-inspeção do veículo. Até chegar ao catalisador, onde são convertidos em gases inofensivos ao meio ambiente, os gases gerados pelo motor do veículo percorrem todo o sistema de exaustão. Dessa forma, é fundamental fazer a manutenção preventiva no automóvel para detectar e solucionar problemas, como rachaduras, amassados, vazamentos e furos nos componentes do sistema de exaustão. Além disso, é importante verificar outros sistemas do veículo que influenciam na emissão de gases poluentes, como o de ignição, que engloba velas, cabos e bobinas; o de arrefecimento do motor e, por fim, o sistema de alimentação de ar e combustível. “A revisão periódica é imprescindível, pois permite detectar qualquer problema nesses sistemas e no catalisador. Mesmo um catalisador de boa qualidade depende do bom funcionamento dos demais sistemas do veículo e com esses cuidados é possível evitar a reprovação no momento de passar pela Inspeção Veicular”, acrescenta Moreira.