Motor faz Nelsinho Piquet abandonar em Daytona

19 de fevereiro de 2011

Com o motor quebrado, Nelsinho Piquet foi forçado a abandonar as 250 milhas de Daytona, prova de abertura da Nascar Truck Series na 80ª volta. A corrida foi vencida por Michael Waltrip e teve o brasileiro Miguel Paludo na quarta posição.

“Foi uma pena, porque o motor parou de funcionar justamente quando eu me preparava para atacar mais, de acordo com a estratégia definida com o time”, declarou Nelsinho.

Até então, tudo vinha dando certo na prova de abertura da temporada. O plano traçado pela equipe Kevin Harvick para suas três picapes era administrar as primeiras 50 das cem voltas da corrida no fim do pelotão, para evitar acidentes no bloco intermediário e chegar ao momento decisivo da prova em condição de atacar os ponteiros.

Nelsinho e os companheiros Ron Hornaday Jr. e Elliott Sadler seguiram o combinado à risca, oscilando entre a 15ª e a 23ª posições nos primeiros três quartos da prova. Como seus Chevrolet Silverados chegavam a girar até um segundo mais rápido que o ritmo dos líderes, em mais de uma ocasião, os estrategistas da equipe recomendaram que eles aliviassem para não se aproximarem demais do pelotão que estava à frente.

“Aqui em Daytona tudo é diferente. É pé embaixo o tempo todo, todo mundo no vácuo. A gente sabia que aconteceriam acidentes, por isso foi escolhida essa tática. Aliás, alguns dos principais adversários também adotaram a mesma estratégia, mais cautelosa no começo”, explicou Nelsinho.

Na 77ª volta, o que era esperado aconteceu: uma grande batida envolveu 14 picapes. O Silverado número 8 do brasileiro escapou por muito pouco, e ele estava entre os 10 primeiros quando fez o pitstop pouco antes da quebra do motor.

Salvo pelo defeito que o obrigou a abandonar a prova, a picape de Nelsinho estava quase ilesa quando foi levada para a garagem. Esse sinal, aliado ao fato de Sadler, com a mesma estratégia, ter terminado em segundo lugar indica as boas possibilidades que o brasileiro tinha em Daytona, onde foi sexto em 2010.

“Agora é pensar na prova de Phoenix na próxima sexta-feira. Foi uma pena o que aconteceu nesta etapa, com problema no amortecedor no treino e motor na corrida. Mesmo assim, o contato com a equipe foi positivo. Prefiro pensar que já deixei todo o azar aqui de uma vez e fico contente por já ter uma nova prova em uma semana”, concluiu o brasileiro, oficialmente o 27º na corrida, o que lhe valeu 17 pontos na classificação da temporada.