Pane elétrica tira Jaime Melo das 12h de Sebring

20 de março de 2011

A possibilidade de sucesso já na estreia da nova Ferrari 458 Italia GT em corridas de longa duração esbarrou nos problemas elétricos enfrentados pela Risi Competizione nas 12 Horas de Sebring, prova que deu início, neste sábado (19), à temporada 2011 da American Le Mans Series e da Intercontinenal Le Mans Cup. A equipe do piloto brasileiro Jaime Melo acabou retirando-se da disputa cerca de 90 minutos antes da bandeirada final.

O rendimento do carro até a nona hora de disputa, quando os problemas elétricos do novo carro começaram a se manifestar, vinha surpreendendo. Melo e seus dois parceiros, os finlandeses Toni Vilander e Mika Salo, estiveram sempre no primeiro pelotão da classe GT. Foram raras as voltas em que o carro número 62 do time sediado no Texas esteve fora da disputa direta por um lugar no pódio. Até que os problemas elétricos surgiram.

Até a oitava hora de corrida, Melo, Vilander e Salo compunham o grupo dos cinco primeiros colocados na GT, que cumpriam a mesma volta de corrida. “A nossa maior dificuldade era nas retas, não tínhamos velocidade suficiente. Estava difícil acompanhar o ritmo das BMW”, narrou o brasileiro. “Até ali a gente não tinha enfrentado nenhum tipo de problema, nem cometido nenhum erro. Nossa equipe já preparava a estratégia para quando escurecesse”, lembrou.

Com os problemas elétricos, a equipe perdeu várias voltas. A uma hora e meia da bandeirada final, decidiu retirar seu carro da corrida. “Poderíamos, talvez, conquistar o terceiro lugar. No começo da corrida, eu sinceramente não imaginava que fôssemos liderar, ou que estaríamos em posição de ganhar. Não seria fácil a gente ficar à frente dos BMW dos Corvette, eles tinham muita consistência”, disse o piloto, que venceu a prova em Sebring três vezes.

Os problemas começaram a acontecer quando Vilander pilotava. “Eu era o terceiro e tinha bastante combustível. De repente as luzes de alerta da pressão do combustível e da bateria acenderam. Em meia volta, perdi a direção hidráulica. Sem outra opção, fui para o box e perdemos duas voltas”, resumiu o finlandês. Voltei depois com um carro muito rápido e bom, com meio tanque de combustível a mais que nossos rivais. Daria pódio”, apostou.

Apesar do resultado, Jaime Melo mostra-se bastante otimista quanto às conquistas a que planeja levar o novo carro. “A gente precisa trabalhar um pouco no acerto e, principalmente, em velocidade nas retas. O carro é novo, a equipe só o recebeu poucos dias antes de vir para Sebring, e a corrida serviu para a gente compreender muitas coisas a respeito dele. Temos de fazer testes e desenvolver o carro para extrair mais do que ele pode oferecer”, falou.