Cris Federico e Caio Lara vencem na GT4

23 de julho de 2011

A vitória na quinta etapa da temporada, a primeira da rodada
dupla do final de semana na GT Brasil, foi conquistada de forma inesperada pela dupla
Cristiano Federico/Caio Lara na tarde deste sábado no Autódromo de Curitiba.

O excelente resultado ampliou para 10 pontos a vantagem dos pilotos na
liderança do campeonato. Com a terceira vitória em 2011 – as outras duas
foram nas ruas de São Paulo – eles chegaram a 138 pontos contra 128 dos novos vice-líderes Valter Rossete e Fábio Greco. Neste domingo, a partir das 12h30, acontece a sexta corrida e o encerramento da primeira metade do campeonato, quando será definido um dos dois descartes obrigatórios. O outro será computado somente no dia 18 de dezembro.

“Sinceramente, não esperávamos essa vitória. Devido às dificuldades com os
pneus, sabíamos que um quarto ou quinto lugar seria muito bom. Quando peguei o carro, estava 44 segundos atrás do Burza e não daria para tirar a diferença. A entrada do primeiro Safety Car foi crucial para nos levar de volta à briga. No final, herdamos a vitória devido aos erros dos outros”, disse Cristiano Federico, que cruzou a linha de chegada com a segunda aparição do carro de segurança.

Caio Lara concorda com a surpreendente vitória da Ferrari F 430 e avalia suas voltas iniciais, quando não conseguiu superar a Maserati da dupla Greco/Rossete. No entanto, ele ficou bem próximo dos adversários, que ocupavam a quarta posição antes da parara obrigatória para troca de pilotos.

“Tive muita dificuldade para tentar ultrapassar a Maserati, algo que não consegui. Por outro lado, para se chegar às vitórias é preciso competência e
sorte, a mesma que tivemos hoje e já nos faltou algumas vezes. Herdamos avitória, mas todos também viram que tivemos competência para manter o carro na pista e fazer ultrapassagens”, disse Caio.

O outro carro da Equipe ATW/BVA/R3MZ, o estreante Aston Martin, abandonou na 23ª volta, quando ficou inguiável depois de um toque recebido da Ginetta pilotada por William Freire, ainda na primeira metade da corrida.

“Peguei o carro totalmente torto, pois com o toque perdeu o alinhamento e o balanceamento. Ainda tentei dar sequência ao trabalho do Osvaldo Federico, mas não dava para continuar e preferi poupar o Aston para a corrida de domingo”, finalizou Marcelo Losasso.

A equipe ATW/BVA/R3MZ tem o patrocínio do Banco BVA, La Rioja, Dubai Motors, Ultracenter, Hooters Brasil, Red Nose, WS Adesivos e Clínica de Cirurgia Plástica Rodrigo Federico.

Foto: Fábio Oliveira