Irmãos Baumgart prontos para último teste antes do Sertões

3 de agosto de 2011

Depois do bom desempenho que colocou os dois carros do X Rally Team entre os melhores do Rally dos Sertões de 2010, as duplas formadas por Cristian Baumgart/Beco Andreotti e Marcos Baumgart/Kleber Cincea já se preparam para o último teste antes da 19ª edição da prova, que acontece entre os dias 9 e 19 de agosto, saindo de Goiânia (GO) até Fortaleza (CE), percorrendo um total de 4.096 quilômetros. Os dois Mitsubishi L200 Triton Evo passarão por uma avaliação final na próxima sexta-feira (5/9), na região de Mogi Guaçu, no interior paulista. Outra novidade é o fato de o X Rally Team integrar neste ano a equipe Mitsubishi Brasil, oficial da fábrica japonesa em competições de rali.

“Este último teste será importante, pois vamos verificar todo o trabalho que a equipe tem realizado desde o ano passado”, diz Cristian Baumgart. “Estamos muito confiantes em realizar uma ótima prova, e esperamos realmente ser competitivos. E a preparação que fizemos até agora é o que nos dá essa segurança de que daremos um ótimo resultado para a Mitsubishi”, observa Marcos Baumgart.

O teste vai validar os diversos detalhes que foram introduzidos no carro desde a edição anterior do Sertões visando não só a velocidade dos Triton Evo, como também manter a boa confiabilidade dos carros amarelos que estampam os patrocínios de Vedacit, Mitsubishi e Cidade Center Norte. “Derivada da Triton X10 utilizada em 2010, o modelo Evo é mais leve, mais rápido, potente e resistente e possui maior autonomia. O chassi é feito em estrutura tubular de aço, com carenagem em fibra de carbono – o que por si só já retira grande parcela de peso do carro em comparação com o modelo de série”, detalha o navegador Beco Andretti, que compete ao lado de Cristian Baumgart.

Se a condição básica para sobreviver às áridas adversidades do cerrado brasileiro é a força, a Triton Evo não deixa a desejar. Os dois carros são equipados com o motor do Mitsubishi Lancer Evolution X convertido para o uso do etanol – o que exigiu, já no ano passado, a reprogramação do gerenciamento eletrônico do conjunto. O propulsor, com quatro cilindros em linha, 2.0 litros, turbo intercooler e 16 válvulas, tem 330 cavalos de potência a 7 mil rpm (torque máximo de 40 kgfm a 3.500 rpm). “A velocidade máxima é estimada em 194 km/h”, observa Kleber Cincea, navegador de Marcos Baumgart.

Para formar um trem de força à altura do forte motor, a equipe optou pelo câmbio Sadev, sequencial de seis marchas. A transmissão conta com tração nas quatro rodas e é completada pelos dois diferenciais autoblocantes (um para cada eixo), que distribuem a força do motor e evitam que as rodas patinem em pisos com baixa aderência.

De 2010 para 2011, o carro ganhou “massa”: 20 quilos a mais para garantir mais autonomia, já que o tanque de combustível – formado por uma estrutura externa (caixa) de kevlar e uma bolsa interna de borracha (reservatório) – aumentou de 350 para 400 litros. “Isso para evitar de termos que abastecer durante as especiais”, comentou Marcos Baumgart.

A força do conjunto foi melhorada. A estrutura é feita em aço cromo-molibidênio e a carroceria em fibra de carbono, que garante leveza e resistência. O conjunto de suspensões é independente nas quatro rodas, com duplo triânbulo tubular (também de aço cromo-molibidênio) e dois amortecedores Ohlins em cada roda. Os freios são produzidos pela italiana Brembo, com discos de aço nas quatro rodas e pinças com quatro pistões cada.

“Temos um carro mais bem acertado, mais resistente e com maior autonomia. A potência de que já dispúnhamos ano passado era excelente, e como o trajeto deste ano promete ser mais travado, preferimos focar nos fatores que realmente podem fazer a diferença neste tipo de ambiente”, destacou Cristian. Confira a ficha-técnica do Mistubishi L200 Triton Evo.

Fotos: David Santos Jr.e Theo Ribeiro – Fotoarena.