Cotton e Eduardo ocupam a quarta posição na classificação geral

14 de agosto de 2011

Com um veículo movido a etanol, o modelo Protom, Marcus Cotton e Eduardo Costa, da Equipe ProMacchina/Cottom Motorport vem provando que é possível acelerar fundo, e conquistar bons resultados, sem deixar de lado a preocupação com o meio ambiente. Neste domingo, a dupla paulista completou com sucesso a quinta etapa da 19ª edição do Rally dos Sertões, subindo uma posição na classificação da categoria Pró Etanol, e após os cinco dias de disputa ocupam a 4ª colocação da categoria.

Neste domingo, a Equipe largou para a primeira parte da etapa maratona, partindo de Porto Nacional, com destino a Lizarda e após percorrer um total de 485 quilômetros (340 km de trechos cronometrados). Passando pelo temido deserto do Jalapão no Tocantins, a Cotton e Eduardo Costa usaram de uma estratégia de cautela, já que entre a prova de hoje, e a largada de amanhã não é permitido que seja feita nenhuma manutenção pela equipe de apoio nos veículos.

“Acredito que estamos indo bem até o momento, apesar de estar longe de uma prova de rali há 10 anos, já que minha última disputa foi em 2000, no Rally dos Amigos, junto com o Eduardo estamos conseguindo atingir nossos objetivos neste Rally dos Sertões. Hoje, sabendo que não poderíamos contar com nossa equipe de apoio, fizemos uma prova com muita cautela, e conseguimos completar a etapa sem nenhum problema, e ainda conseguimos subir uma posição na classificação da categoria”, comemorou Cotton.

Cotton sabe que ainda tem muito rali pela frente, e especialmente a segunda parte da etapa maratona, que promete grandes desafios para as equipes inscritas no Sertões 2011. “Amanhã o dia promete muita dificuldade, sabemos que muitas equipes ficam pelo caminho, sendo que a especial também é uma das maiores do rali, com mais de 400 quilômetros. A estratégia será a mesma de hoje, de cruzar a linha de chegada sem nenhuma surpresa”, finalizou o piloto que aposta na etanol como forma de sustentabilidade, já que é um combustível produzido a partir a cana-de-açúcar, e menos poluente do que as demais categorias.

Foto: Gustavo Epifânio/Foto Arena – Divulgação.