Nelsinho fica em terceiro em Chicago

17 de setembro de 2011

Nelsinho Piquet conduziu o Chevrolet Silverado número 8 da equipe Kevin Harvick ao terceiro lugar na corrida de Chicago, vencida por Austin Dillon. Foi o segundo melhor resultado do brasileiro em sua carreira na Nascar.

“Soube desde o começo do dia que seríamos bem rápidos aqui”, declarou Piquet Jr. após a prova. Ele foi o melhor no treino da manhã, o primeiro do dia. “O treino classificatório não foi tão bom, mas não afetou nossa confiança.”

Partindo da 12ª posição, agressivo na linha externa da pista de 1,5 milha e nitidamente mais veloz que seus adversários, o brasileiro já estava em quarto lugar na sexta volta, quando surgiu a primeira bandeira amarela. Após uma boa relargada, o truck número 8 continuou ganhando posições até chegar à vice-liderança na vigésima volta.

“A largada foi um daqueles momentos em que tudo deu certo! Arrisquei por fora sem saber se tinha ou não grip, se a caminhonete ia segurar. Felizmente segurou e fui embalando, embalando, pegando os vácuos nas horas certas… E os outros meio que abrindo a linha externa, tentando disputar as posições por dentro”, comentou.

Piquet Jr. então conservou a posição, com uma vantagem confortável sobre o terceiro colocado e assumiu a liderança pela primeira vez na volta 43. Duas voltas mais tarde, ele realizou seu primeiro pit stop, quando recomendou ao time que não fizesse qualquer alteração no setup da caminhonete, pois a performance era excelente. Retornou à pista em quinto lugar, atrás apenas de concorrentes que apostavam em outra estratégia de paradas nos boxes.

Na volta 59, bem como os demais líderes, o brasileiro fez nova parada nos pits em virtude da segunda bandeira amarela da noite. “Então foi feito um pequeno ajuste, que piorou nosso ritmo”, disse ele. Relargando em quarto, Piquet Jr. foi obrigado a tirar o pé em disputa com Kyle Busch (líder do campeonato da Sprint Cup, a principal divisão nacional da Nascar). Com isso, outros dois adversários aproveitaram para ultrapassá-lo.

Ainda que o equipamento não estivesse com seu melhor ajuste, ele conseguiu conservar a sexta posição até sua terceira parada nos boxes, quando pediu ao time que voltasse com o acerto do início da prova. Não só a equipe dos boxes fez o que foi solicitado, como trabalhou rápido para devolver o truck 8 na pista na quarta colocação para a relargada da volta 88.

Naquela altura da corrida, Piquet Jr. era bem mais rápido que Todd Bodine, piloto que vinha à sua frente. Mas o atual campeão da Truck Series mantinha a linha externa da pista, obrigando o brasileiro a tentar a ultrapassagem por dentro, condição que tornava mais difícil o controle da picape. Em mais de uma vez o brasileiro precisou segurar a caminhonete, cuja traseira balançava quando na parte interna da pista. Enfim, no giro 96, ele conseguiu superar o truck número 5 e partiu no encalço de Kyle Busch e Kevin Harvick, que estavam à sua frente.

“Sei que ele é um piloto muito experiente e muito arrojado, que não costuma dar o menor espaço. Tinha a percepção que eu estava mais rápido, mas que era preciso arriscar no momento certo. Ele me apertou o quanto deu, mas quando vi a brecha fiz a manobra e depois consegui ficar à frente”, narrou o brasileiro.

Na volta 115, Piquet Jr. foi ultrapassado por Austin Dillon. O vice-líder do campeonato se aproveitou do fato de um retardatário ter obrigado o truck 8 a buscar o traçado interno e tirou vantagem da situação.

Bodine então também tentou o ataque no giro 123. Mas aí foi a vez de Nelsinho deixar para o rival a linha interna e manter a posição.

Os ponteiros então foram parando, o que deixou o truck número 8 outra vez em primeiro lugar, na volta 131. Mas era preciso completar o tanque, então quatro voltas mais tarde Piquet Jr passou pelos pits e trocou apenas os pneus do lado direito de seu Chevrolet Silverado. Retornou à pista em quarto lugar. “A posição da pista era boa, mas tínhamos que ficar bem atentos, porque vários outros trocaram os quatro pneus e poderiam surpreender.”

Imediatamente à sua frente, Kyle Busch e Kevin Harvick (vice-líder da Sprint Cup Series e sócio do time pelo qual o brasileiro guia) travavam dura briga pelo segundo posto. Quando Harvick finalmente obteve a ultrapassagem, faltavam dez voltas para o final da corrida.

Durante seis delas, Piquet Jr. tentou tirar proveito do fato de ter pneus mais novos que o concorrente. Até que foi capaz de passá-lo a quatro voltas do final. Mas aí faltava tempo para chegar em Harvick, ainda que tivesse ritmo melhor ao término da corrida.

Melhor rookie (estreante) da prova, o brasileiro obteve 42 pontos em Chicago (incluindo o ponto de bonificação por ter assumido a liderança). Ele agora é 11º no campeonato, com 524 pontos no total. O décimo colocado tem 32 pontos mais que ele. “A meta de terminar entre os dez melhores é realista sim. Mostramos aqui em Chicago hoje que temos condição de andar junto com os mais rápidos e ainda há seis corridas até o fim do ano”, apontou ele.

“Foi minha primeira corrida com o Jeff Hensley como chefe de equipe e foi bom. Ele vinha do truck do Hornaday, então não é uma mudança tão grande como começar a trabalhar com um profissional que vem de outro time. É muito experiente e calmo e soube me orientar e me ouvir durante a prova. Acho que teremos uma boa relação até o fim do ano”, avaliou o piloto.

O terceiro lugar de Piquet Jr. em Chicago é seu terceiro top-5 e sexto top-10 na temporada 2011 da Nascar Truck Series. A próxima corrida da temporada será em New Hampshire, no sábado que vem.

Foto: Divulgação.